"Como dois e dois são quatro/Sei que a vida vale a pena/Embora o pão seja caro/E a liberdade pequena" (Ferreira Gullar)
Meu Diário
29/10/2018 17h58
O POVO É SÁBIO DO SEU JEITO

     Neste processo eleitoral, os ânimos estiveram acirrados. De um lado, um passado corrupto pela frente; de outro, uma aposta num futuro incerto e de muitas bravatas. Nesse entremeio, as pessoas foram fazendo suas escolhas, muito mais com a emoção que com a razão, muito mais pelo que estava latente do que pelo que foi feito às claras.
     Mas o povo é como aquele aluno do primário, que aprende com silogismos, mas aprende. Varreu o PT e seus aliados de um poder que ocupou como protagonista nos últimos mandatos presidenciais. Cansou da corrupção, dos apadrinhamentos, dos gastos imorais (como os cartões corporativos), da leniência com o crime, da dilapidação do patrimônio público, das promessas não cumpridas (prometeram milhares de creches e não entregaram 500), da arrogância e do amadorismo associados ao sentimento de impunidade. Em vez de servir, se serviram, enriqueceram, tripudiaram sobre uma população desiludida e carente.
     Evidentemente, a força sem a experiência, a boa-fé sem a análise crítica podem lançar águas nos moinhos dos oportunistas. Jair Bolsonaro é um poltrão despreparado, mas é fruto da irresponsabilidade histórica do PT, de sua traição aos princípios da probidade, de sua transformação em organização criminosa. Bolsonaro é um corrupto até onde lhe foi permitido, recebendo auxílio-moradia com imóvel em Brasília, empregando uma funcionária fantasma, usando verba de gabinete para “comer gente”. Agora, poderá sair das maracutaias no varejo, que cabem no “bolso” de um gabinete, para as malversações no atacado, em esfera nacional, com o entreguismo já anunciado pelo seu futuro ministro da Fazenda. Será o síndico de uma Pátria em que os pobres pagam os boletos dos ricos, como sempre foi e como não é difícil prever que será ainda por um bom tempo. 
     Ao PT, fico pesaroso por ver, junto com seus puxadinhos, como o Psol e o PC do B, destruir de vez as bandeiras históricas dos movimentos sociais e da esquerda, dando um fôlego para uma direita que não apenas tem as mãos sujas de sangue, como o de Vladimir Herzog, mas uma incompetência crônica para administrar, como no regime militar, quando devolveu o país quebrado depois de usar o cheque especial do “milagre econômico”.
     Quem votou 13, querendo ou não, foi cúmplice. Quem votou 17, votou iludido em mais do mesmo de décadas atrás. Eu votei nulo. O meu voto é um não para aqueles que constroem bretes em vez de pontes.
     E o povo? O povo erra, mas erra aprendendo. Um novo aprendizado está apenas começando.


Publicado por Landro Oviedo em 29/10/2018 às 17h58


"A VIDA É BELA. QUE AS FUTURAS GERAÇÕES A LIMPEM DE TODO MAL, DE TODA OPRESSÃO E VIOLÊNCIA E A DESFRUTEM PLENAMENTE." (LEON TRÓTSKI)