"Como dois e dois são quatro/Sei que a vida vale a pena/Embora o pão seja caro/E a liberdade pequena" (Ferreira Gullar)
Textos


O PESAR DO NATAL

Natal, festa de consumo 
que consome os despossuídos
festa de um capitalismo que 
mata sem renascimento
festa de um choro lancinante
numa cidade bombardeada

Natal, estro triste no olhar
de quem não tem emprego
evento que exclui a esperança
embora semeando ilusões
fome por detrás dos banquetes
de Temer no Palácio do Planalto

Natal, semântica corroída
no cotidiano das crianças maltratadas
desvario dos que furtam a infância
com propinas e omissões
como Lula, como Dilma
feito abutres e tucanos insaciáveis

Natal, dia indiferente
para quem já perdeu tudo
cantilena dos nababos
para malversar sonhos alheios
presentes das corrupções
nas festas dos bacanas

Natal, dia dos que creem
e crendo ajudam essa obra
muito afeita a adulterações
e a verdades seminuas
fábrica de moinhos 
para Papais Noéis errantes

Natal, tantas perguntas
poucas respostas
como fingir ser feliz
num mundo tão desigual?
para que o ano não pese nas consciências
fazemos festa de absolvição.
Landro Oviedo
Enviado por Landro Oviedo em 17/12/2016


Comentários


"A VIDA É BELA. QUE AS FUTURAS GERAÇÕES A LIMPEM DE TODO MAL, DE TODA OPRESSÃO E VIOLÊNCIA E A DESFRUTEM PLENAMENTE." (LEON TRÓTSKI)