"Como dois e dois são quatro/Sei que a vida vale a pena/Embora o pão seja caro/E a liberdade pequena" (Ferreira Gullar)
Textos


A SINA DO MUÇURANA

No bolicho do Ciroca
Na Chacra, o Muçurana
Se adjunta no balcão
Sorvendo goles de cana

E dali vai aos bolichos
Afogando desalentos
Mete versos de improviso
Alumbrando pensamentos

Martelinho no Saldanha
A quarta no Valmoci
Reforço no Velho Oscar
Seu vaivém no Itaqui

Sua voz enche as lonjuras
Com mágoas que vão rimadas
Que coração pesaroso
Decerto penas passadas

Retinto carão de negro
Pupila negra estocada
Da alva esclera do entorno
Na vista sempre embaçada

Muçuruna e seus malogros
São versos dados às esquinas
A passos de saltimbanco
Vai serpenteando sua sina

Uns guris jogam umas pedras
Gambeteia a muito custo
E ele vê que o mundo todo
Desde a infância é injusto

"Com sua gaitita de boca
Em melodias pampeanas
Tão pobre em seus andrajos
Tão rico na alma buerana
Dobra o sino dos recuerdos
Numa prece ao Muçurana"

 
Landro Oviedo
Enviado por Landro Oviedo em 17/05/2017
Alterado em 24/05/2017


Comentários


"A VIDA É BELA. QUE AS FUTURAS GERAÇÕES A LIMPEM DE TODO MAL, DE TODA OPRESSÃO E VIOLÊNCIA E A DESFRUTEM PLENAMENTE." (LEON TRÓTSKI)