"Como dois e dois são quatro/Sei que a vida vale a pena/Embora o pão seja caro/E a liberdade pequena" (Ferreira Gullar)
Textos


O TRUCULENTO MOURÃO

Mourão, seu lazarento
Capanga da casa-grande
Largando fezes ao vento

Nossos índios, nossos negros
Têm a mais bela história
É a força de uma raça
Contra ti e tua escória

Tu és parte de um sistema
Sacripanta e entreguista
Que vende nossa nação 
Para quem pagar à vista

Lembras a dívida externa
E o milagre brasileiro?
Foi tua gente elitista
Que entregou o país inteiro

Tuas divisas são de morte
Dos nossos ancestrais pobres
Nacionalismo tacanho
Que à injustiça encobre

Castro Alves, Frei Caneca
Nunca quedaram o penacho
Pra gente da tua linha
Que deixou o Brasil por baixo

Tua fala é consequente
Com teus escusos motivos
Se agora não usas balas
Matas com adjetivos

Tua injúria é legado
De assassinos e grileiros
Desses capitães do mato
Que usam sangue no tinteiro

Diante de uma falsa esquerda
A direita encontra azo
Eu penso, por que não calas
Vice chinfrim do atraso?



FAÇA UM CURSO:
www.portaldecursosrapidos.com.br/landro

 
Landro Oviedo
Enviado por Landro Oviedo em 07/08/2018
Alterado em 07/08/2018


Comentários


"A VIDA É BELA. QUE AS FUTURAS GERAÇÕES A LIMPEM DE TODO MAL, DE TODA OPRESSÃO E VIOLÊNCIA E A DESFRUTEM PLENAMENTE." (LEON TRÓTSKI)