"Como dois e dois são quatro/Sei que a vida vale a pena/Embora o pão seja caro/E a liberdade pequena" (Ferreira Gullar)
Textos


EU SINTO MUITO
 
Você lembra, lembra!
Daquele tempo
Eu tinha estrelas nos olhos
Um jeito de herói
Era mais forte e veloz
Que qualquer mocinho
De cowboy…
(“Sapato velho”, Mu-Claudio Nucci-Paulinho Tapajós)

Antes de ti, eu era tábua rasa
quase folha trêmula
um coadjuvante, um feirante sem tato
Um chiste vazio

Quando me fizeste vibrar
na luz invadindo minhas cavernas
eu pude ver o que nunca vira
o que jamais entendera

Graças a ti, eu pude evitar de ser
do jeito que me haviam destinado
trivial, parco, venal, aldeão sem aldeia
silhueta triste, madeira sem verniz

Caminhamos juntos tanto tempo
na rebeldia que polia luzes
estrado do meu ofício
de existir para contar e depor

Com tantos descaminhos ao redor
tu me deste um norte, uma causa
um mote de vida, uma quimera
dessas que se acorda para viver

E agora isso, essa orfandade
esse resto de um rosto jovial
um sonho desfeito, esse desenlace
com gosto de adeus

Eu sinto muito
Não pensei que tanto
seria tão pouco, que o amor febril
iria fenecer

Diz meu outono à minha primavera:
"Jamais imaginei que fosse assim".
Aqui nossos caminhos se bifurcam
Tu singras, eu sangro por aí.
Landro Oviedo
Enviado por Landro Oviedo em 11/10/2018
Alterado em 11/10/2018


Comentários


"A VIDA É BELA. QUE AS FUTURAS GERAÇÕES A LIMPEM DE TODO MAL, DE TODA OPRESSÃO E VIOLÊNCIA E A DESFRUTEM PLENAMENTE." (LEON TRÓTSKI)