"Como dois e dois são quatro/Sei que a vida vale a pena/Embora o pão seja caro/E a liberdade pequena" (Ferreira Gullar)
Textos


FERIDAS OUTONAIS

Estou despido nas manhãs
Que precedem as invernias
Caem as folhas da alma
E a solidão principia

Alguém me levou a vida
E uma porção de quimeras
Meu veranico de maio
Morreu num peito tapera

Por onde vai esse olhar
Que me anuviou a retina
Prenunciando a primavera
Mas estendendo a cortina

“Quem sofre paga quinhão
No tributo da tristeza
Um grave tempo se alarga
Antes que volte a leveza”

Entre palavras e sons
Acordes das noites frias
Vou embalando lembranças
De perdidas alegrias

Figuras de balé triste
Encenam as minhas mágoas
Feito correntes de rio
Violentas contra as piráguas

Sem esteio nem remansos
Sem rumo, rota e cais
Levo o coração sangrado
Por feridas outonais.
Landro Oviedo
Enviado por Landro Oviedo em 22/02/2019


Comentários


"A VIDA É BELA. QUE AS FUTURAS GERAÇÕES A LIMPEM DE TODO MAL, DE TODA OPRESSÃO E VIOLÊNCIA E A DESFRUTEM PLENAMENTE." (LEON TRÓTSKI)