"Como dois e dois são quatro/Sei que a vida vale a pena/Embora o pão seja caro/E a liberdade pequena" (Ferreira Gullar)
Meu Diário
04/01/2015 05h11
PESCARIA (POR QUE NUNCA MAIS PESQUEI NA MINHA VIDA)

      Quando eu era guri em Itaqui, ia pescar em vários lugares, como o Quarte, o Açude do Valmoci, o rio Uruguai. Pescávamos pacus, lambaris, jundiás e outros quejandos. Eu e meu irmão, o Cláudio, levávamos para a minha vó preparar para nós, que tínhamos então uma casa pequena com muitas bocas para serem saciadas. A necessidade falava mais alto e a sobrevivência é um imperativo. Depois que saí de Itaqui, numa trajetória em que nunca me faltou o mínimo para satisfazer  a mais comezinha das demandas do ser humano, nunca mais pesquei. Não entendo a pesca como diversão, mas como algo que só deve ser feito no limite para garantir o suprimento na mesa das pessoas. Afora isso, considero um sadismo puro e simples o ato de pescar por pescar, de interferir na vida de outros seres indefesos para satisfazer uma emulação egoísta e trivial. Os seres humanos deveriam ter a obrigação de procurar prazeres menos danosos aos nossos ecossistemas, tão aviltados por requintes de crueldade.

 


Publicado por Landro Oviedo em 04/01/2015 às 05h11


"A VIDA É BELA. QUE AS FUTURAS GERAÇÕES A LIMPEM DE TODO MAL, DE TODA OPRESSÃO E VIOLÊNCIA E A DESFRUTEM PLENAMENTE." (LEON TRÓTSKI)