"Como dois e dois são quatro/Sei que a vida vale a pena/Embora o pão seja caro/E a liberdade pequena" (Ferreira Gullar)
Textos

 

PREFÁCIO - "A REPÚBLICA DO BOI" (2010, ED. RÍGEL, PORTO ALEGRE) - JOSÉ MACHADO LEAL



8573491035.jpg 

ISBN 8573491035  Autor José Machado Leal 
Formato:14x21cm págs: 144 Peso: 0,175 Ano: 2010 





UM ROMANCE À MODA ANTIGA
 

O livro de José Machado Leal é um relato recheado de acontecimentos fantásticos, imponderáveis, instigantes, reinserindo o Rio Grande no fascinante mundo da mitologia, trazendo à tona um substrato quase invisível que nos conforma em psicologia e em destino. Nossas raízes avoengas, remotas, encobertas pelo pó inelutável do tempo, renascem com brilho e vicejam neste romance que invoca a gênese da querência.

O amor de Nicácio e Dona Veridiana é o fio condutor desta primitiva história do velho continente. A tradição que já o supunha chefe de sua gente, as barreiras étnicas e culturais, a pressão da família da escolhida os impedem de dar vazão ao amor que une suas almas tão contrastantes, mas unidas em essência. Aqui temos um sentimento puro e intenso como o que inspirou Juan Zorrilha de San Martin em "Tabaré", que retrata a formação mítica do Uruguai. No poema, Tabaré, filho de um cacique índio e de uma cativa branca, vota um amor impossível a uma espanhola de nome Branca. A impossibilidade desse amor o destrói. No livro de José Machado Leal, a inviabilidade do amor tira de cena Nicácio para que ele possa renascer como cacique e líder de seu povo na tentativa sublime de salvá-lo.

Como pano desse malfadado amor, que, como todos os amores desventurados, cresce em força trágica com o tempo pela comiseração que causam os enlutados amantes, emerge o Rio Grande primitivo, fonte de extasiamento, que se desnuda para o leitor. As Missões, as vacarias, os primevos gaúchos, os tratados políticos de além-mar, os sonhos de igualdade, as utopias, os costumes, as lendas, os códigos de honra, as guerras e cavalhadas, as tolderias, tudo está lá, como um testamento renovado a legar nossa porção de identidade para todo o sempre. Quem tem origem tem um lugar assegurado no barco da eternidade. E raízes, como bem atesta José Machado Leal, os gaúchos têm de sobra.

Este livro tem um jeito diferente de contar a história. Nem por isso ela é menos real ou menos pormenorizada ou desprovida de fidelidade. Quem o ler com o coração aberto, deleitar-se-á com sua literariedade. Quem o folhear com um olhar documental, poderá confrontá-lo com diferentes fontes de pesquisa. O importante é que se trata de um resgate embasado de uma época singular de nosso passado, que volta diante dos nossos olhos com um realismo ímpar, como a dar apontamentos novos sobre a trajetória heroica de uma raça. E o amor? Bem, esse está em todo o feito, pois Nicácio amou Veridiana com a mesma intensidade com que Nicolau Nhenguiru amou seu povo. Nem sempre o amor vence, nem sempre o amor é vencido.




Contato com o autor da obra:
José Machado Leal - Fone (0xx51) 3212-3362 (Porto Alegre-RS)
 

Veja também:
www.cursodeportugues.zip.net
(Curso de Português)

www.megalupa.zip.net
(Jornal Megalupa)

 


 

Landro Oviedo
Enviado por Landro Oviedo em 07/03/2012
Alterado em 14/03/2012


Comentários


"A VIDA É BELA. QUE AS FUTURAS GERAÇÕES A LIMPEM DE TODO MAL, DE TODA OPRESSÃO E VIOLÊNCIA E A DESFRUTEM PLENAMENTE." (LEON TRÓTSKI)