"Como dois e dois são quatro/Sei que a vida vale a pena/Embora o pão seja caro/E a liberdade pequena" (Ferreira Gullar)
Landro Oviedo
"Somente buscando palavras é que se encontram pensamentos" (Joseph Joubert)
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Meu Diário
08/04/2022 19h04
COLUNA "LIVROS, LÍNGUA E VIDA" ("VIAJANDO SEM VIAJAR") - 8.4.2022

Minha coluna "Livros, língua e vida" no jornal Nova Folha, de Guaíba-RS (8.4.2022).
Para ler, clique abaixo:

https://rl.art.br/arquivos/7490996.pdf

Publicado por Landro Oviedo
em 08/04/2022 às 19h04
 
01/04/2022 18h59
INTERNACIONAL QUER O TÍTULO DO BRASIL DE PELOTAS

     A direção do Internacional encaminhou ofício à Federação Gaúcha de Futebol reivindicando que lhe seja entregue o troféu e os direitos correspondentes ao título previsto para ser entregue ao Brasil de Pelotas, considerado, de acordo com o regulamento, Campeão do Interior. A interpretação do clube da Capital é diferente em relação ao que está no texto previsto para orientar esta edição do campeonato gaúcho. 
     De acordo com os argumentos do time do Beira-rio, o clube chegou a 19 pontos no certame e o Brasil a 16. Dessa forma, não entende justo que uma equipe com menos pontuação, com menor mérito, portanto receba um troféu enquanto um clube de grande porte fique tanto tempo sem conquistar um troféu, mesmo quando é superior, na tabela, ao seu adversário. Requer, portanto, que lhe seja atribuído o título de Campeão do Interior.

Publicado por Landro Oviedo
em 01/04/2022 às 18h59
 
27/03/2022 18h34
BARRADO PELO MARIO MENTIRA

     Certa feita, o José Machado Leal, líder do inesquecível grupo de folclore nativo Os Muuripás, me convidou para uma atividade artística com churrasco no galpão crioulo da Câmara dos Vereadores de Porto Alegre. Contudo, ele teve que dar uma saída e deu uma ordem ao Mario Cezar Castro (o Mario Mentira) para que não deixasse ninguém entrar enquanto ele não voltasse. O Mario cumpriu tudo à risca. Na foto, o momento em que ele me barrou. Não houve jeito. Só pude entrar depois que o Leal chegou. E olhem que eu era um dos organizadores do evento.

 

Publicado por Landro Oviedo
em 27/03/2022 às 18h34
 
27/02/2022 19h42
LISTA CRESCENTE DAS FALCATRUAS E TOLICES DO GOVERNO BOLSONARO IV

1.176 – VERBAS DA IMPUNIDADE. O governo federal está jogando dinheiro fora e poupando os criminosos ambientais. Cerca de R$ 300 milhões em multa vão prescrever até o final de 2022 porque Jair Bolsonaro sucateou os órgãos de fiscalização e não tem interesse em cobrar esses valores dos devedores. Ele mesmo foi multado, até hoje não pagou a multa por pesca ilegal e ainda conseguiu a demissão do servidor, que só cumpriu com seu dever. A criminalidade tomou conta do Palácio do Planalto e os delinquentes estão, claro, a favor da reeleição de Bolsonaro.

1.175 – MANOBRA ILÍCITA. Ivan Keller, major aposentado da Brigada Militar gaúcha, recebeu R$ 130 mil do BNDES para seu clube de tiro, o que já é discutível. Mas a situação é pior: depois de obter tais recursos públicos, ele mudou as atividades de sua empresa para incluir o comércio de armas e munições, o que é proibido pelas regras do banco. Jair Bolsonaro, que sempre acusou o BNDES de favorecimentos, está agora usando a instituição financeira para conceder benesses aos seus amigos. 

1.174 – CÚPULA TENDENCIOSA. O delegado Bruno Calandrini, da Polícia Federal, que prendeu o ex-ministro Milton Ribeiro no Bolsolão do MEC, está solicitando a prisão de membros da direção do órgão ao STF por interferirem nas investigações a favor do bolsonarista. Ele se queixou de que não foi feita a transferência do preso para Brasília por conta dessa intervenção e Jair Bolsonaro teria tido acesso antecipado ao teor das investigações, alertando o acusado. Sua independência funcional está incomodando o governo e já foi aberto um inquérito administrativo contra ele. É a força da intimidação para fazer valer a impunidade governamental.

1.173 – PROMOTORIA ESVAZIADA. Jogando com todas as forças do poder, Jair Bolsonaro vai tentando impedir a apuração dos crimes de seus filhos. Depois de reverter medidas da investigação sobre as "rachadinhas" de Flávio Bolsonaro, que está avariada, mas não está morta, ele agora conseguiu um esvaziamento da 3ª Promotoria de Investigação Penal Especializada do Ministério Público do Rio de Janeiro, que investiga o vereador Carlos Bolsonaro por peculato, que é roubo praticado por servidor público. Antes de ficar responsável pelo caso, em setembro de 2021, o órgão era composto por um promotor titular e três auxiliares. Agora, a subdivisão conta somente com  um titular e um promotor auxiliar. Quando a bandidagem consegue influenciar no rumo das investigações, bem ao estilo das milícias, o esclarecimento dos fatos e as punições vão ficando para o Dia de São Nunca.

1.172 – VAIADO. No domingo do dia 7.8.2022, Jair Bolsonaro resolveu ir ao jogo do Palmeiras contra o Goiás. Como a presença foi anunciada com antecedência, a torcida palmeirense teve tempo de se preparar, com faixas, cartazes e colagens nos postes do entorno do estádio, bem como com mensagens nas redes sociais. Bolsonaro foi recebido pela presidente do clube, Leila Pereira. Pois bem, não faltaram apupos nem vaias, além de gritos sugestivos, como "Ei, Bolsonaro, vai tomar no cu" ou "Bolsonaro, cuzão, fora do meu verdão". Um pouco antes, ele havia sido "convidado", pelos frequentadores, a se retirar de uma churrascaria na Capital. Diante de tanta impopularidade, o comando da campanha está apostando na Micheque para reverter a rejeição. Será que consegue?

1.171 – FOME NAS ESCOLAS. Enquanto mais de 30 milhões de pessoas passam fome no país, Jair Bolsonaro quer que ela se estenda também para as escolas. Ele vetou o reajuste de 34% no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), aprovado em julho pelo Congresso Nacional. Para piorar, vetou também que verbas destinadas a instituições de pesquisas e de ensino não sejam alvo de cortes nas universidades públicas. Para quem tem um cartão corporativo para viver como um nababo à custa do dinheiro público, torna-se uma crueldade sua indiferença com a insegurança alimentar dos alunos.

1.170 – BOMBARDEIO. A indiferença desse governo com a questão ambiental, fauna, flora e ecossistemas, está tendo mais um capítulo aterrador. A Marinha marcou exercícios de tiro no Arquipélago de Alcatrazes, um complexo de ilhas situadas na costa brasileira, mais precisamente no litoral paulista. Isso acarreta danos para as espécies que vivem ou que passam pelo local, algumas delas somente encontradas naquele lugar. Já houve incêndios na área provocados por essas atividades. Depois de muitas críticas da população e de ambientalistas, o órgão recuou, mas, dentro da linha de indiferança do governo Bolsonaro, afirmou que futuramente voltará a realizar suas manobras dentro desse patrimônio natural da nação, colocando-o novamente em risco.

1.169 – BENEFICIÁRIA. A advogada Paola Daniel, mulher do brutamontes bolsonarista Daniel Silveira (PTB-RJ), criminoso indultado por Jair Bolsonaro e que conseguiu uma "saidinha" permanente, inscreveu-se para receber o Auxílio Brasil, dinheiro público destinado aos mais pobres, e recebeu quatro de sete parcelas do benefício. A estelionatária bem-nascida concorre ao cargo de deputado federal. Gente chique posando de carente é uma mostra de que Bolsonaro também trabalha a questão da inclusão social.

1.168 – CORONEL DA MENTIRA. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) excluiu do grupo de militares que acompanha o órgão na vigilância do processo eleitoral um coronel que estava postando notícias falsas sobre as urnas nas redes sociais. Ricardo Sant'Ana será substituído por conta de sua conduta criminosa. Isso mostra bem o que os bolsonaristas mais gostam de fazer, que é lançar boatos e mentiras sobre os procedimentos a cargo da Justiça especializada.

1.167 – CULTO. Num culto em Belo Horizonte, Michelle Bolsonaro, aposta de Jair Bolsonaro para reduzir a rejeição entre as mulheres, afirmou que o Palácio do Planalto já foi "consagrado a demônios". Quem falando! Essa senhora é integrante de uma família delituosa envolvida com rachadinhas, funcionários fantasmas, sonegação fiscal, milícias, propinas em vacinas, contrabando de recursos naturais, recorde de gastos no cartão corporativo, roubo nas terras indígenas, apoio ao fundão eleitoral no Congresso, boicote às medidas sanitárias, notas frias, aumento dos supersalários por decreto, elogio à tortura, incentivo ao desmatamento, sigilo sobre crimes do governo, orçamento secreto, boicote às investigações dos seus crimes, em enriquecimento ilícito da familícia, indulto para bandidos, lavagem de dinheiro, no Bolsolão do MEC, compra de votos, etc. Essa gente não se enxerga.

1.166 – CÓDIGO-FONTE. O ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, em ofício datado de 1º.8.2022, solicitou ao TSE o acesso ao código-fonte das urnas eletrônicas. Foi o que bastou para os bolsonaristas disseminarem patacoadas e boatos pelas redes sociais, como se o órgão precisasse ser tutelado. Só que nem eles nem o pau-mandado de farda de Bolsonaro sabiam que isso já estava liberado desde outubro de 2021, inclusive com a presença, em reunião pública, do próprio governo por meio de um militar indicado exatamente pelo ministro e também da Controladoria-Geral da União (CGU). Essa gente constitui um bando de golpistas atrapalhados.

1.165 – SEM ENTREVISTA. A Rede Globo, maior grupo de televisão do país, anunciou que não mais irá entrevistar Jair Bolsonaro porque ele fez exigências incompatíveis com a isonomia que a emissora deve adotar para todos os candidatos a presidente da República. Não lamenta, Bolsonaro! Afinal, tu não precisas da "Globolixo", né, apesar de ter, neste ano, colocado muito dinheiro em publicidade nesse veículo tão criticado por ele. O discurso é um, a prática é outra. Bolsonaro queria que seu lugar de fala fosse o Palácio do Planalto. Deu-se mal.

1.164 – PILANTRA DIPLOMADO. Em entrevista para o jornal bolsonarista Gazeta do Povo, o advogado de Jair Bolsonaro e da família sempre encrencada afirmou que Fabrício Queiroz nunca foi foragido porque nunca foi intimado. Ora, ele estava se escondendo na casa do causídico exatamente para não ser intimado e assim fugir do inquérito e dos processos. Que pérola! Outrossim, o sacripanta falou também que o Coaf, orgão da Receita Federal que descobriu as rachadinhas de Flávio Bolsonaro, seria uma organização criminosa. Essa é boa! Técnicos e analistas concursados. Organização criminosa é a do clã Bolsonaro, que usa funcionários fantasmas, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e funcionários fantasmas, entre outras falcatruas, para desviar recursos públicos.

1.163 – DIPLOMATAS. Depois de uma vexaminosa reunião de Jair Bolsonaro com embaixadores estrangeiros, os diplomatas brasileiros resolveram reagir aos ataques do presidente ao processo eleitoral. Eles realizaram uma reunião e firmaram posição em defesa das urnas eletrônicas. Mais uma vez, ficou claro que o aludido apoio que o Capitão Cloroquina costuma alegar ao seu projeto de poder tem a mesma força do seu fármaco homônimo no combate à Covid-19.

1.162 – PROMESSA VÃ. Jair Bolsonaro se elegeu com muitas promessas, como a de manter a independência em relação ao Centrão ou de aplicar as verbas públicas corretamente. Não cumpriu nada. Outra não cumprida é a atualização da tabela do IR. Agora, atrás nas pesquisas, ele vem prometer que vai atualizar as faixas salariais da incidência do tributo para 2023. Por que não fez antes? A resposta só pode ser uma: para tirar direitos dos assalariados, passando recursos dos mais pobres para os mais ricos, como o pessoal do Centrão e suas emendas secretas.

1.161 – APROVEITADOR. Depois de ter boicotado a realização do Censo por parte do IBGE, cortando verbas, Jair Bolsonaro hoje posou com o colete de recenseador, como se não fosse um adversário do levantamento, que só ocorreu depois de decisão judicial do STF. Aliás, por que Bolsonaro teria interesse num censo que serviria para elaborar e aplicar políticas públicas para os mais desfavorecidos? Para ele, a pobreza não é uma decorrência da estratificada sociedade brasileira, com uma das maiores desigualdades na distribuição de renda. Segundo ele, pobre tem que "correr atrás". Isso se torna uma grande ironia por ser pronunciado por alguém que nunca trabalhou na vida.

1.160 – OUTRO CONDENADO. O blogueiro bolsonarista Allan do Santos, foragido da justiça brasileira e com quem Jair Bolsonaro se encontrou nos Estados Unidos, foi condenado a 1 ano e 7 meses de detenção em regime inicial aberto pelo crime de calúnia contra a cineasta Estela Renner. A decisão foi da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul e se deve ao fato de ele ter associado a autora da ação a um estímulo de consumo de drogas por parte de crianças após ela ter defendido a exposição Queermuseum, ocorrida em Porto Alegre, em 2017. Num eventual pedido de reparação por danos morais, essa sentença serve para alavancar a demanda, dispensando a dilação probatória. Enfim, mais um criminoso apoiador de Bolsonaro condenado. A súcia está sendo identificada e desbaratada.

1.159 – PRECARIEDADE. Aconteceu o que já era previsível: de acordo com um levantamento do Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), à tênue diminuição do desemprego corresponde o aumento da informalidade e a diminuição da renda dos trabalhadores. A desocupação recuou de 11,1% no primeiro trimestre para 9,3% no segundo, a menor taxa para o período abril-junho desde 2015, quando ficou em 8,4%. Todavia, o rendimento médio caiu em relação a um ano antes, ficando agora em R$ 2.652, com um percentual 5,1% menor que no mesmo período de 2021. Resumindo: mais postos de trabalho com salários menores e mais gente fazendo bico. É a precarização nas relações laborais. Engraçado que na pandemia a mão de obra era essencial e demandada. Os capitalistas não tocam nada sozinhos, mas pagam mal barbaridade.

1.158 – OMISSO. Os ministros da Defesa de 21 países da América assinaram, em 28.7.2022, uma carta conjunta que classifica como ilegítima a invasão da Rússia à Ucrânia e defende o respeito à democracia. A declaração foi firmada durante a 15ª Conferência de Ministros da Defesa das Américas, sediada em Brasília. Contudo, três países se recusaram a assinar o documento: Brasil, Argentina e México. Não causa espécie a negativa do governo federal. Afinal, Jair Bolsonaro já foi pessoalmente levar seu apoio ao carniceiro Putin.

1.157 – FRACASSO. Estão circulando vídeos que mostram que a convenção do PL para dar aval à candidatura de Jair Bolsonaro foi esvaziada, com muitos claros e cadeiras desocupadas no Maracanazinho, que tem capacidade para 13 mil pessoas. Não me admiro com isso. Afinal, Bolsonaro nem sequer conseguiu criar seu próprio partido, o União pelo Brasil, por falta de apoio. Fracassou de novo.

1.156 – SENADOR VITALÍCIO. À medida que a água das ondas de impopularidade vai atingindo Jair Bolsonaro até o pescoço e tornando sua reeleição uma peça de ficção, os bolsonaristas estão tentando encontrar meios para blindá-lo e impedir que responda por seus muitos crimes cometidos durante o mandato. Uma das propostas vem do Centrão, que quer criar o cargo de senador vitalício para garantir sua imunidade penal. Isso seria feito por meio de uma proposta de emenda constitucional (PEC). Contudo, essa PEC é visivelmente inconstitucional porque fere varios dispositivos da chamada Carta Magna. Entre eles, os princípios da moralidade e da impessoalidade. E quem apoiar essa proposição é um traidor do povo brasileiro, concordam?

1.155 – QUEM FALANDO!. O conselho não poderia vir de fonte mais imprópria: Jair Bolsonaro, no cercadinho, falou aos jovens que, diante do desemprego, eles têm que "correr atrás" de uma oportunidade. Logo ele, que sempre viveu de mamatas e de expedientes escusos.

1.154 – BOICOTE AOS PACIENTES. Iniciativa governamental importante de atendimento à população sem recursos que necessita de remédios, que são fornecidos gratuitamente ou com hiperdescontos, o Farmácia Popular está sendo boicotado pelo governo federal. Desde 2018, o orçamento do programa já perdeu 22% do seu montante e quase 2 milhões de pessoas deixaram de ser atendidas. Tornou-se recorrente a informação de que o fármaco solicitado está em falta. Claro que não falta dinheiro para Jair Bolsonaro no cartão corporativo e para seus desvios de verba pública.

1.153 – MAUS-TRATOS. O descaso do governo de Jair Bolsonaro com a fauna e a flora coleciona mais um triste episódio: cerca de 80 pombos foram pintados de verde e amarelo por seus apoiadores para serem soltos num evento de campanha eleitoral em Vitória (ES), com sua participação. Imaginem os maus-tratos sofridos por essas aves para atender a um capricho dessa gente insensível com o meio ambiente e suas formas de vida.

1.152 – EXPULSO. O presidente da Funai, Marcelo Xavier, foi expulso de um evento em Madri sobre a situação indígena, a 15ª Assembleia Geral do Fundo para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas da América Latina e Caribe. Um ex-servidor do órgão, Ricardo Rao, que teve que emigrar para a Europa por conta de ameaças e perseguições e hoje vive em Roma, na Itália, denunciou a presença do integrante do governo Bolsonaro, que faz  uma gestão favorável aos criminosos ambientais e condescente com as condutas de destruição dos biomas e ecossistemas. Cada vez mais a credibilidade dos bolsonaristas vai ficando ao rés do chão.

1.151 – FUZIL PARA O PCC. A liberação de armas no governo de Jair Bolsonaro, feita de maneira açodada, resultou num armamento de indivíduos antissociais, vândalos e até delinquentes. Agora, um juiz federal teve que autorizar uma busca e apreensão para localizar um fuzil comprado por um membro do PCC, com larga ficha criminal, nos termos da legislação imposta pelo governo federal, com liberação do exército. Pelo jeito, a bandidagem está conseguindo obter armas dentro da "legalidade" para usar dentro dos seus propósitos criminosos. O padrinho é Bolsonaro.

1.150 – ESSA TAL NEUTRALIDADE. Jair Bolsonaro, que é um pária internacional, quis se passar por uma personalidade mundial e ligou para o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, para discutir a guerra com a Rússia e informar sua neutralidade. Levou uma chapuletada de volta. Zelensky afirmou que quando um país invasor ingressa em território alheio, de um país soberano, ferindo seu povo e promovendo atrocidades, não há como ser neutro sem ser omisso. Lembrou que foi uma postura assim que permitiu o avanço dos nazistas sobre a Europa na Segunda Guerra Mundial. Bolsonaro, mais uma vez, ficou restrito à sua insignificância.

1.149 – DESCASO TOTAL. O Congresso aprovou uma medida determinando que o governo federal garanta absorventes íntimos para meninas e mulheres carentes. Jair Bolsonaro vetou. O veto foi derrubado. O Ministério da Saúde se recusa a implementar a medida. O prazo da regulamentação venceu no dia 8 de julho e o órgão não se compromete com o cumprimento da lei. São cerca de 6 milhões de brasileiras nessa condição. Como sempre, para os ricos tudo; para os pobres, a indiferença bolsonarista.

1.148 – FALTA DE VACINAS. O governo de Jair Bolsonaro continua negligente com a vacinação, para dizer o mínimo. A falta de vacinas ameaça o início da imunização de crianças de três e de quatro anos. O Instituto Butantã, que fornece a Coronavac, está há muitos meses sem ser demandado para fabricar novas doses. Sem esquecer que Bolsonaro boicotou o que pôde esse imunizante quando ele começou a ser fabricado de forma pioneira. Com isso, contribuiu para o aumento das mortes por Covid-19 no país. Agora, na hora da prevenção de infantes menores, não está agindo muito diferente. A omissão irresponsável continua a ser uma marca típica do bolsonarismo. 

1.147 – SUICÍDIO. O diretor da Caixa, Sérgio Ricardo Faustino Batista, foi encontrado morto na noite de terça-feira (20.7.2022), em Brasília. Ele era muito próximo do bolsonarista Pedro Guimarães, que presidiu o banco desde o início do governo de Jair Bolsonaro e foi afastado em junho devido a denúncias de funcionárias por assédio moral e sexual. Entre as atribuições do diretor Sérgio, estariam o encaminhamento das denúncias recebidas por canais próprios da instituição. Morte suspeita pela omissão diante dos procedimentos que visariam apurar os fatos.

1.146 – VEXAME INTERNACIONAL. Não poderia ser diferente: a reunião forçada de Jair Bolsonaro com embaixadores estrangeiros virou um fiasco de grandes proporções em nível mundial. A imprensa internacional relatou como os diplomatas de outros países ficaram estupefatos pela chamada de Bolsonaro para atacar sem provas o processo eleitoral. Segue o roteiro de Donald Trump. O apego ao poder, sem dúvida, é  um apego à impunidade diante dos crimes que o clã bolsonarista cometeu.

1.145 – NO FUNDO DO POÇO. O desespero bolsonarista está tomando ares de vexame internacional. Nesta terça, 18.7.2022, Jair Bolsonaro chamou uma série de embaixadores estrangeiros no país para falar mal das urnas eletrônicas e, mais uma vez, não apresentou nenhuma prova. Diversos organismos internacionais já se posicionaram anteriormente ratificando a lisura do processo eleitoral brasileiro. A reunião foi um emaranhado de mentiras e os convidados nem ao menos puderam se manifestar. Falou mal do país perante um fórum de pessoas ligadas a outros governos. Esses maus perdedores estão desde já procurando um pretexto para tentar um golpe diante da derrota iminente. Foi um espetáculo deprimente oferecido pelo poltrão do Palácio do Planalto.

1.144 – AGRESSÃO AMBIENTAL. Os levantamentos sobre a devastação ambiental indicam que, desde 2019, em todos os biomas, já se perdeu o equivalente à area do estado do Rio de Janeiro e um percentual de 20% em 2021. O governo de Jair Bolsonaro está fazendo a festa dos grileiros, contrabandistas, mineradores, desmatadores, pescadores ilegais e assemelhados. 

1.143 – LIGAÇÃO. Jair Bolsonaro quis se mostrar como solidário com a família do guarda-civil Marcelo Arruda, morto por um correligionário seu em Foz do Iguaçu. Certamente, deve ter ligado para a viúva e para o filho mais velho da vítima. Só que não. Ligou para seus dois irmãos bolsonaristas, tentando causar uma divisão no clã familiar e realizando uma tentativa de amenizar o desgaste do crime político praticado pelo seu apoiador. Zero de sensibilidade, mil de oportunismo.

1.142 – PROVOCAÇÕES. O pré-candidato do PSB ao governo do Rio de Janeiro, Marcelo Freixo, teve um ato invadido por um grupo de bolsonaristas armados liderados pelo deputado estadual Rodrigo Amorim (PTB-RJ). O fato ocorreu neste sábado (16.7.2022). Os marginais que apoiam Jair Bolonaro já começaram com suas tentativas de intimidar opositores, ainda mais diante da perspectiva de uma derrota eleitoral. Estejamos atentos.

1.141 – FACTOIDE. Diante de sua crescente rejeição na população brasileira, e para agitar sua bolha, Jair Bolsonaro está constantemente criando situações artificiais para tentar reverter uma derrota anunciada. Agora, está dizendo que "estão querendo proibir" o uso da bandeira brasileira nas eleições. Não existe nada disso nem determinação nesse sentido. Uma simples declaração de uma juíza, que não tem valor legal, não pode servir de pretexto para toda uma agitação chauvinista.

1.140 – SÓ DISCURSO. Jair Bolsonaro e sua súcia gostam de se dizer favoráveis à família. Contudo, seu governo cortou verbas de programas de apoio a crianças e a adolescentes. Os gastos de assistência social com esse segmento caíram de R$ 531,60 milhões, em 2019, para R$ 382,20 milhões em 2021. E da verba de enfrentamento ao trabalho infantil, R$ 1,9 milhão, que já é um valor ridículo, só foram efetivamente utilizados R$ 331,4 mil, apenas 17,7% desse montante. Nunca as famílias pobres foram tratadas com tal grau de humilhação por um governo tão insensível e tão indiferente às suas demandas.

1.139 – BANHEIRO. Tem gente que dá carteiraço até na hora de cagar. O ex-secretário de Cultura Mario Frias, internado no Hospital Santa Lúcia, em Brasília, após sofrer um infarto agudo do miocárdio, destratou a equipe médica da UTI ao saber que não teria um banheiro exclusivo para ele. Proferiu diversos impropérios e ainda se nomeou com autodeferência. É por isso que há pessoas que ficam chateadas quando lhes perguntam se conhecem o Mário. 

1.138 – DECLARAÇÃO. O bolsonarista Jorge José da Rocha Guaranho insultou o guarda municipal Marcelo Aloizio de Arruda, prometeu voltar à festa, premeditando o crime, e invadiu o recinto atirando. O que faz Jair Bolsonaro? Está preocupado porque o seu apoiador levou uns chutes na cabeça. Ora, isso pode não ser o correto, mas é perfeitamente compreensível a comoção das pessoas que estavam no local comemorando o aniversário do anfitrião. Essa solidariedade de Bolsonaro ao assassino mostra bem sua personalidade deturpada e mente doentia.

1.137 – ESCONDE O CARA. Apesar das negativas oficiais, a verdade é que Jair Bolsonaro anda soltando fogo pelas ventas contra seu candidato Tarcísio de Freitas (Republicanos) ao governo do Estado de São Paulo. Ocorre que Tarcísio, que não é tão tolo quanto parece, percebeu que Bolsonaro está com altos índices de rejeição e, então, evita aparecer como aliado do presidente e tenta fazer uma campanha "isentona". Os números nas pesquisas reforçam a dificuldade do candidato bolsonarista de decolar, pois perde para Haddad (34%) e tem Rodrigo Garcia (16%) grudado na sua cola, apresentando 20%. Registro em 11.7.2022.

1.136 – BOLSOMATADOR. Estava escrito que os bolsonaristas começariam logo a perpetuar a barbárie e a covardia. O guarda municipal Marcelo Aloizio de Arruda, de 50 anos, morreu na madrugada de domingo,10.7.2022, em Foz do Iguaçu, quando o bolsonarista Jorge José da Rocha Guaranho, policial penal federal, invadiu sua festa temática de aniversário e atirou contra ele, depois de ter ido ao local gritando ("Aqui é Bolsonaro!"), proferindo xingamentos e prometendo voltar. Marcelo, percebendo a gravidade da ameaça, pegou sua arma e, no retorno do invasor, na troca de tiros, revidou, também atingindo o agressor. Infelizmente, o guarda municipal faleceu. O assassino está num hospital custodiado e oxalá se salve para responder pelo seu delito e passar um bom tempo na cadeia. Marcelo deixa a mulher e filhos e a certeza de que não se pode baixar a guarda perante lunáticos, golpistas e surtados defensores de Jair Bolsonaro. Nossa solidariedade à sua família, amigos e colegas. Bolsonaro, em nota, em vez de repudiar essa conduta, na sua psicose particular, preferiu atribuir culpa à esquerda. Nem sempre os verdadeiros culpados estão no lugar do crime.

1.135 – GLOBO LUXO. Depois de muito criticar a Rede Globo e até ameaçar dificultar o processo de renovação da concessão, Jair Bolsonaro aumentou em 75% o aporte de publicidade na emissora, tudo na tentativa desesperada de se reeleger para manter sua impunidade/imunidade. Esse incremento é sobre o mesmo período do ano passado (2021), entre janeiro e junho, com aportes de R$ 6,5 milhões e R$ 11,4 milhões, respectivamente. Mais uma falácia bolsonarista cai por terra, mas o gado sempre vai achar uma justificativa.

1.134 – O NOME DELE É VALDEMAR. Jair Bolsonaro está sempre batendo na tecla das urnas eletrônicas, um tema que o Centrão já percebeu que não rende votos. E quando fala da derrota para o oposição na questão do voto impresso, Bolsonaro, como sempre, culpa seus opositores. Todavia, ele não cita o fato de que o presidente do seu próprio partido partido hoje, Valdemar Costa Neto (PL), atuou para derrotar a proposta na comissão, em análise preliminar, e foi decisivo para enterrar a proposta em plenário, onde não atingiu nem perto dos 308 votos necessários para sua aprovação. Costa Neto conseguiu virar a posição de vários deputados. O capitão Cloroquina, na época, acusou ministros do STF de se articular contra a PEC. Só não diz que seus aliados também não fizeram muito esforço. Como sempre, a culpa é dos outros.

1.133 – MINISTRO GOLPISTA. Foi uma vergonha para a frágil democracia brasileira a participação do Ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, em audiência na Câmara dos Deputados. Cumprindo seu papel de recadeiro de Jair Bolsonaro e acompanhado dos comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica, que, decerto, não tinham nada mais importante para fazer, investiu contra as urnas eletrônicas e contra o processo eleitoral brasileiro, reconhecido internacionalmente por ser um dos mais seguros do mundo. É um disparate desse serviçal militar se colocar a serviço de um presidente corrupto que, à simples ameaça de perder a eleições e a imunidade, quer tumultuar o ambiente com teses golpistas. Não vão levar.

1.132 – AGRESSÃO. A caterva bolsonarista investiu contra o carro do juiz Renato Borelli, da 15ª Vara Federal de Brasília, responsável por mandar prender o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e seus agregados pastores. O veículo do magistrado foi alvo de vândalos, que jogaram fezes de animais, estrume, terra e ovos enquanto ele estava dirigindo. Essa gente faz jus a Jair Bolsonaro, que, quando militar, tinha um plano para explodir quartéis. É preciso apurar e colocar os meliantes autores desse delito na cadeia.

1.131 – DE OLHO NA MISÉRIA. A "fortuna" de R$ 400 que o governo de Jair Bolsonaro vai pagar até o fim das eleições já está sendo cobiçada. Uma medida provisória foi publicada para autorizar a celebração de empréstimos consignados entre os bancos e os beneficiários de programas de transferência de renda, como o Auxílio Brasil e o Benefício de Prestação Continuada (BPC). Muita gente vai continuar sem gás, alimentação e remédios, mas terá dívidas com o sistema bancário, que quer até a rapa da panela dos pobres.

1.130 – SEM TÍTULO. A rejeição à família Bolsonaro e a tudo que representa em meio à podridão moral e intelectual que ela impôs ao país está vindo a galope. Os vereadores da Câmara Municipal de Recife, por 16 a 9, derrotaram a proposta que outorgava a Michelle Bolsonaro a medalha de mérito. Com isso, a proponente, a vereadora Michele Collins (PP), antevendo novo revés, retirou da pauta a proposição que também homenageava Jair Bolsonaro. Atualmente, para um bolsonarista ganhar uma medalha, a exemplo de Daniel Silveira (PTB-RS), só se o próprio governo bancar a homenagem suspeita.

1.129 – IRÔNICO. Jair Bolsonaro reagiu com ironia a uma pergunta sobre eventual reajuste dos servidores públicos: "É só dizer onde tem dinheiro”, afirmou. Ora, esse segmento está há anos sem aumento e vem esse sacripanta dizer isso enquanto incentiva o orçamento secreto, apoia o Fundão eleitoral e tem gastos recordes no cartão corporativo.

1.128 – TUDO CARO. Nesta segunda-feira, dia 4.7.2022, viralizou uma campanha nas redes sociais sob o slogan “Tá tudo caro e a culpa é do Bolsonaro”. Proliferaram na Internet imagens de pessoas com bolsas de compras com essa frase. Não é para menos. Um internauta postou: "Litro de leite R$ 10 reais, quilo do café R$ 30 reais. O supermercado 'virou' um aeroporto. Tá tudo caro e a culpa é de quem votou e ainda apoia Bolsonaro". A voz do povo é cirúrgica.

1.127 – CONDENADA. A deputada federal bolsonarista Carla Zambelli (PL-SP) foi condenada pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) a pagar R$ 60 mil para as deputadas federais Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e Talíria Petrone (PSOL-RJ), no valor de R$ 30 mil para cada uma, por tê-las retratado com chifres e olhos vermelhos, com ares demoníacos. Isso ocorreu porque as parlamentares comemoraram a descriminalização do aborto na Colômbia. A exemplo do troglodita federal Daniel Silveira (PTB-RJ), ela pensa que que o mandato é um salvo-conduto para cometer delitos. Diz que vai recorrer. O esperneio é livre.

1.126 – MEDALHA. Os escritores Marco Lucchesi e Antônio Carlos Secchin, ambos imortais da Academia Brasileira de Letras (ABL), acertadamente, recusaram-se a receber a medalha de Ordem do Mérito do Livro, concedida pela Biblioteca Nacional, porque o deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), criminoso condenado pelo STF e perdoado pelo não menos delituoso Jair Bolsonaro, também figurava entre os agraciados, além de outros afeitos ao bolsonarismo. Fizeram bem. Essa gente só vê deméritos no livro. Não pode receber uma comenda de mérito.

1.125 – ALMOÇO. Não é à toa que o Brasil está sendo visto no mundo como um pária internacional. Jair Bolsonaro, num desrespeito à liturgia do cargo que provisoriamente ocupa, cancelou um encontro com o presidente de Portugal,  Marcelo Rebelo de Sousa, porque ele vai se encontrar com um adversário eleitoral. O presidente português minimizou o caso e afirmou que o incidente não tem muita importância. Ressaltou contudo, que é importante sim a divergência na geopolítica mundial: Bolsonaro apoia a Rússia de Putin e ele a Ucrânia. Realmente, mais uma vez o Capitão Cloroquina está apoiando um ditador e carniceiro contra os preceitos civilizatórios representados pela autodefesa ucraniana.

1.124 – DESCARAMENTO. Depois de inventar boatos contra as vacinas chinesas, oferecidas ao Brasil como meio de combater a Covid-19 quando se tinham apenas as medidas sanitárias como paliativos contra a doença, Jair Bolsonaro, na quinta-feira (21.6.2022) se reuniu com os presidentes dos países integrantes do Brics, Rússia, Índia, China e África do Sul. Como bom hipócrita, desta vez elogiou o presidente da China, Xi Jinping. Em nenhuma vez falou em "vachina". A distância encoraja os covardes e a proximidade pode torná-los cínicos.

1.123 – PRO LIXO. Que o governo de Jair Bolsonaro boicotou a vacinação no Brasil desde o início do processo é um fato sabido e consabido. E tudo indica que essa irresponsabilidade criminosa está longe de arrefecer. Um Relatório elaborado pela Controladoria-Geral da União mostra que o Ministério da Saúde deixou vencer cerca de 1,1 milhão de testes RT-PCR próprios para detecção de Covid e influenza. Enquanto o coronavírus continua fazendo vítimas no país, ainda que com danos mitigados pelas vacinas, o Ministério da Saúde vai atuando em desfavor da vida. Os bolsonaristas não se cansam de olhar o povo com os olhos da morte.

1.122 – DECLARAÇÕES CRIMINOSAS. O senador Flávio Bolsonaro está tentando chantagear as instituições da sempre incipiente democracia brasileira. Em declarações à imprensa, ele insinuou que os bolsonaristas podem não aceitar o resultado das eleições caso percam o pleito para a presidência da República. Alegou que isso pode acontecer sem que Jair Bolsonaro insufle o seu eleitorado. Nem precisa insuflar. Com esse tipo de indução, a massa ignara vai se sentir autorizada a se mobilizar em nome de uma aventada conspiração a partir da apuração do TSE e das urnas eletrônicas. Esse roteiro já foi adotado por Donald Trump e ninguém que tenha atribuições de defender a legalidade tem o direito de ser omisso diante dessa armação. Urge desde já atuar para impedir esses tumultos anunciados. 

1.121 – NÚMEROS. Jair Bolsonaro nunca se deu muito bem com os números, alias, com nada que envolva aprendizado de conteúdos. Agora, vem à tona sua declaração de que dispõe de um "exército" de 200 milhões de pessoas. Ora, o Brasil tem 213 milhões de habitantes. Será que praticamente todo o país apoia esse sacripanta? Esse montante é maior que todo o total de eleitores do país, que é atualmente é de 150 milhões de pessoas habilitadas para votar. Ele teve 57 milhões de votos na última eleição e, para qualquer um que tenha um mínimo de bom senso, que não costuma ser a tônica dos bolsonaristas, a tendência é de diminuir a votação e não aumentar. Vale lembrar que o filho 02, o Carluxo, já demonstrou diminuição de mais de 30 mil votos na eleição de 2020 quando o clã da família achava que ele seria o mais votado para vereador do Rio de Janeiro. A pergunta que não pode ser elidida: como Bolsonaro teria o apoio desses hiperbólicos milhões se não conseguiu nem sequer legalizar um partido que exigia apenas 500 mil adesões?

1.120 – ESTADO DE EMERGÊNCIA. Os bolsonaristas, que tanto queriam um Estado de Sítio para chamar de seu, estão levando um estado de emergência, o que está longe de ser a mesma coisa, mas eles não estão aí para entender sutilezas conceituais. O estado de emergência pode ser decretado diante de situações de tragédias climáticas ou de "distúrbios sociais". Ainda que tragédias eleitorais não estejam previstas para sua imposição, parece ser o caso de sua adoção pelo governo de Jair Bolsonaro. Ele fez isso para poder justificar um "pacote de súbita bondade" com certos segmentos até o final do ano em curso (2022). Haverá auxílios para caminhoneiros, compra de gás e ajuda para os idosos no transporte público, além de pagamentos pendentes no Auxílio Brasil. Tudo indica que se trata mesmo de uma urgência eleitoral. Permanece a emergência de tirar Bolsonaro do poder.

1.119 – ASSEDIADOR. No mesmo dia em que Jair Bolsonaro teve ratificada sua condenação, pelo TJ-SP, de pagar R$ 35 mil, valor majorado, por ofensas, à jornalista Patrícia Campos Melo, da Folha de S. Paulo, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, foi derrubado de seu cargo pelas denúncias de assédio a funcionárias do banco. Ele estava no cargo desde o início do atual governo. Bolsonaro, como sempre, veio com aquele ar de quem não sabia de nada. É por isso que o Capitão Cloroquina detesta a imprensa. Se não fossem os órgãos de imprensa, ele poderia manter esse assediador e criminoso até o fim do seu mandato.

1.118 – CPI INSTALADA. O governo federal montou uma tropa de choque para impedir a instalação da CPI do MEC. Em nova derrota, para Jair Bolsonaro, o senador Randolfe Rodrigues (Rede) conseguiu bem mais que o número mínimo de assinaturas. Na verdade, seus enviados para essa tarefa inglória pareceram estar mais para soldados do exército de Brancaleone.

1.117 – MEDINHO. O poltrão pastor Silas Malafaia, publicamente reconhecido por Jair Bolsonaro como seu principal conselheiro, fez um acordo para não ser processado pelo youtuber Felipe Neto. Ele aceitou a transação penal proposta pelo Ministério Público e terá de desembolsar 20 salários mínimos (R$ 24.240) em prol da Associação Solidários Amigos de Betânia, na Praça Nossa Senhora do Loreto, Jacarepaguá, Zona Oeste do município do Rio de Janeiro. A instituição presta assistência para homens, moradores de rua, em situação de vulnerabilidade social. Quem diz o que quer paga o que não gostaria. Ambos os boquirrotos, Malafaia e Bolsonaro, se merecem.

1.116 – DEFASAGEM. Não foi apenas no governo de Jair Bolsonaro que a tabela do IR mostrou defasagem. Contudo, ele se elegeu prometendo que iria diminuir a incidência sobre as faixas salariais para liberar os menores salários da boca do Leão. Resultado: não fez nada disso e a previsão é que, em 2023, quem ganhar 1,5 salário mínimo já vai pagar o tributo. Em 1994, para ser taxado, era preciso ganhar oito salários mínimos. Agora, na era bolsonarista, basta ser um miserável com CTPS.

1.115 – CPI DO MEC. Os bolsonaristas costumam se regozijar pelo fato de que Jair Bolsonaro não está sendo processado. Como o seria durante o mandato se ele joga pesado para impedir as investigações? Agora mesmo, o senador Randolfe Rodrigues está colhendo assinaturas para instalar uma CPI no Senado sobre propinas e desvio de verbas do MEC por meio de um esquema que envolve o ex-ministro Milton Ribeiro, alguns assessores e diversos pastores, entre eles Arilton Moura e Gilmar Santos. O parlamentar já atingiu as 27 assinaturas necessárias, mas vai precisar de mais algumas para evitar que o governo tente comprar alguns dos signatários, como já está fazendo. Esse é o jogo sujo para impedir as apurações.

1.114 – MULTAS IGNORADAS. O mandato de Jair Bolsonaro virou uma salvaguarda para os inimigos do meio ambiente. Nos últimos cinco anos, de cada R$ 100 em multas impostas por delitos ambientais em áreas de conservação do ICMBio, apenas R$ 1 foi pago. Portanto, a maior parte do tempo da impunidade se deu no atual governo, que faz vistas grossas para a destruição e não cobra os infratores. Quando recebe críticas em relação à destruição da Amazônia, Bolsonaro tenta desviar o foco como se as irresignações fossem em relação ao país. Só sua manada pode confundir sua presidência com os interesses da nação.

1.113 – O VEIO E A VICE. Cada um com suas preferências: num ato evangélico em Balneário Camboriú, a Marcha para Jesus, Jair Bolsonaro saiu de mão com o Veio da Havan e ordenou que a vice-governadora de Santa Catarina, Daniela Cristina Reinehr (PL), sua correligionária, ficasse para trás de ambos. Misógino, machista e autoritário, não é à toa que Bolsonaro tem ainda maior rejeição entre as mulheres que no eleitorado masculino.

1.112 – INTERFERÊNCIA. O ministro Milton Ribeiro, em telefonema constante nos autos do processo que o levou à prisão, afirmou para seu interlocutor que Jair Bolsonaro o havia avisado sobre a busca e apreensão da Polícia Federal em sua casa. Diante do possível envolvimento do presidente, o caso foi remetido para o STF. A súcia bolsonarista nega o fato. Bolsonaro já está com a cara de pau chamuscada.

1.111 – DECLARAÇÕES. Bolsonaro antes dos fatos: "Eu sou responsável por tudo que acontece ou deixa de acontecer nos meus ministérios" (10/07/21). Bolsonaro depois dos fatos: "Que cada um responda por seus atos". Detalhe: esse "cada um" foi nomeado por ele.    

1.110 – INTERFERÊNCIA. O delegado Bruno Calandrini, da Polícia Federal, responsável pela operação que levou à prisão do ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, e de outros envolvidos em desvio de recursos da pasta, se queixou de que houve interferência do governo para livrar os acusados dos trâmites penais. A acusação paira sobre o ministro Anderson Torres, da Justiça, pau mandado de Jair Bolsonaro, que contou com o apoio de um ministro do STJ, numa troca de gentilezas que a gente sabe qual é o objetivo final. Quando a decisão o beneficia, Bolsonaro acha justo. Quando lhe desagrada, tenta descumprir. A denúncia é grave e deve ser apurada.

1.109 – VETOS. Jair Bolsonaro sancionou com vetos o projeto de lei limitando o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre produtos como diesel, gasolina, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo. Pela proposta, passam a ser considerados itens essenciais e, com isso, as alíquotas deverão ficar entre 17% e 18%. Os estados estimam perdas em torno de R$ 100 bilhões. Não haverá compensação mesmo que isso implique redução do orçamento em áreas essenciais como saúde e educação. Tudo isso é consequência da péssima gestão da economia desse governo. Afinal, na questão do gás e dos combustíveis, o país está exportando o petróleo como commodity e importando por valor muito acima valendo-se de atravessadores. É o aumento da base de cálculo que eleva o preço final ao consumidor, já que o percentual, antes de agora, sempre foi praticamente o mesmo em todos os estados. Como sempre, Bolsonaro, em vez de atuar para baratear os bens de mercado, prefere culpar os outros e entrar em orçamento alheio. Enquanto distribui vetos contra interesse público, o Capitão Cloroquina sanciona diariamente a "Lei de Gérson" no Palácio do Planalto.

1.108 – ESMOLA. Os caminhoneiros estão desdenhando da proposta de Jair Bolsonaro de dar a eles um auxílio eleitoreiro de R$ 400 até o fim do ano, ou seja, apenas até passarem as eleições. Dizem que esse valor não dá nem para comprar cem litros de diesel, pagar os pedágios de uma viagem ou recapar um pneu. Sem noção de valores esse presidente, uma vez que tudo o que gasta é pago pelo contribuinte no cartão corporativo.

1.107 – VAIVÉM. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) assinou o requerimento para a criação da CPI da Petrobras. Já seu irmão e senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) se recusou a apoiar a criação da CPI do MEC. A CPI das Rachadinhas também está fora de cogitação. Pena que o ímpeto investigativo da família Bolsonaro seja curto que nem coice de porco.

1.106 – FALA ABSURDA. Jair Bolsonaro: "Prisão de Milton Ribeiro mostra que eu não interfiro na PF". A verdade: "Prisão de Milton Ribeiro mostra que Bolsonaro nomeia bandidos para cargos públicos". E só não interferiu na Polícia Federal, neste caso, porque não pôde.

1.105 – PASTORES PRESOS. A quarta-feira de 22.6.2022 iniciou promissora, com uma grande bomba explodindo no colo de Jair Bolsonaro. O ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, foi preso junto com os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos na operação Acesso Pago, deflagrada pela Polícia Federal. A ordem de prisão e de busca e apreensão foi emitida pela justiça federal de Brasília depois que ele perdeu o foro privilegiado no STF. Todos estão implicados num esquema de desvios de verbas do Ministério da Educação para benefício de pastores de igrejas evangélicas e de prefeitos aliados do governo que furariam a fila da distribuição de recursos no conhecido Bolsolão do MEC. Vale lembrar que Bolsonaro afirmou que colocaria a cara no fogo por Ribeiro e que, para dificultar as investigações do esquema, decretou sigilo de cem anos acerca das visitas dos pastores Moura e Santos ao Palácio do Planalto para negociar os malfeitos. O corrupto-mor do governo está esperneando o que pode para não pagar por seu delitos.

1.104 – TAXAÇÃO. É um roteiro hilário ver o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), defendendo a taxação dos lucros da Petrobras. Ora, a Petrobras já está sendo taxada, tanto que entregou R$ 447 bilhões limpos ao governo federal desde o início do mandato de Jair Bolsonaro, que nunca aplicou esse valor a serviço da população nem realizou qualquer investimento para melhorar o desempenho da empresa. Como já frisamos, o Brasil transformou o petróleo cru em commodities, exporta a baixo preço e importa dolarizado por meio de um grupo de atravessadores. Não tem como os combustíveis serem baratos diante da ação danosa dos sanguessugas contra o patrimônio da estatal, que foi obrigada a vender refinarias e a Liquigás, privatizando o que deveria ter um controle público. Só a bolha bolsonarista não enxerga o óbvio.

1.103 – FIM DA LUA DE MEL. Até os caminhoneiros, uma categoria aliada de Jair Bolsonaro, estão culpando-o pelos preços altos dos combustíveis. Um dos líderes, conhecido como Chorão, mandou Bolsonaro parar de ter chiliques e fazer algo para resolver o problema. A mamata não acabou, mas a paciência de uns tantos milhares de bolsonaristas de carteirinha e de CNH parece que sim.

1.102 – ANÚNCIO UNILATERAL. Em 6.6.2022, Jair Bolsonaro, ao lado de Paulo Guedes, anunciou o projeto do governo de subsidiar o ICMS dos combustíveis. Só não se pode dizer que foi uma entrevista coletiva porque, ao final das falas de ambos e da atividade, Bolsonaro se levantou bruscamente e não deixou os jornalistas presentes fazerem suas perguntas. Que medo da imprensa tem o poltrão presidencial!

1.101 – CPI DA PETROBRAS. A bola da vez é a proposta de Jair Bolsonaro de criar uma CPI da Petrobras para investigar o aumento dos combustíveis. Pelo jeito, vai concluir que a estatal vendeu as refinarias que deveriam processar o petróleo cru, que a Liquigás também foi vendida e isso elevou o valor do gás de cozinha, que há uma associação de atravessadores encarecendo o produto importado. É até possível que descubra que o presidente do Brasil é o responsável, em última instância, pela gestão da empresa. De nada adianta ele tentar fazer a terceirização das responsabilidades, como diz aquele mantra que já se tornou um slogan associado ao seu governo: "A culpa é sempre dos outros".

1.100 – O PIX. O vídeo é impagável: durante um encontro com Jair Bolsonaro no cercadinho do Palácio do Planalto, um apoiador tenta levantar uma bola para ele fazer o gol em relação ao PIX, que surgiu no seu governo, não obstante, até então, já estar em vigor em dezenas de países. "Parabéns pelo PIX, presidente!" Bolsonaro não entende e continua a falar sobre outro assunto. O bolsonarista insiste: "Parabéns pelo PIX, presidente!". Visivelmente embasbacado, Bolsonaro responde: "Não tenho conhecimento disso daí".

1.099 – DESMENTIDO. Durante o miniato "gigante" de 7 de setembro de 2021, Jair Bolsonaro fez ataques verbais e despropositados aos ministros do STF, notadamente a Alexandre de Moraes. Sua manifestação golpista fracassou e ele ficou com temor da reação das instituições atacadas. Foi aí que pediu ajuda para o ex-presidente Michel Temer na redação de uma carta de "arrependimento" e de desculpas. Ficou muito feio para ele perante a escumalha que o apoia. Como os órgãos oficiais continuaram a exercer suas funções constitucionais, levando ao enfrentamento das práticas delituosas do presidente fora da lei, até porque, do contrário, estariam prevaricando, Bolsonaro alegou que tinha um acordo, descumprido, com Moraes para não ser mais contestado, o que não é verdade. Esse acordo, se existisse, seria totalmente imoral. Bolsonaro foi desmentido por Temer. Restou sua desmoralização pública. Só mais uma.

1.098 – A MÃO BOLSONARISTA. O assassinato de Bruno Araújo, servidor da Funai, e do jornalista Dom Phillips tem por detrás a omissão do governo de Jair Bolsonaro na defesa da Amazônia e dos povos indígenas. Ele é o responsável pela desestruturação do serviço de fiscalização e de vigilância, permitindo que os saqueadores da floresta tenham liberdade para cometer crimes ambientais. Basta lembrar que seu ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, estava envolvido com tráfico internacional de produtos naturais. Quanto a Bruno, foi impedido de exercer seu labor de proteção aos índios, sendo retirado do seu posto avançado e deslocado para Brasília, onde solicitou um afastamento diante da coação. Por sua vez, Dom Phillips foi confrontado certa feita por Bolsonaro ao lhe fazer uma pergunta sobre medidas protetivas da área florestal. Bolsonaro respondeu-lhe rispidamente dizendo que a Amazônia era do Brasil, como se isso fosse um fato autorizador para sua destruição pelo seu governo criminoso. Todo o roteiro mostra uma omissão delituosa para favorecer a bandidagem que quer enriquecer à custa da depredação de um patrimônio do povo brasileiro numa rachadinha gigante com o governo bolsonarista.

1.097 – R$ 400. O senador das rachadinhas, Flávio Bolsonaro, afirmou em entrevista que quem recebe o auxílio de R$ 400 no Brasil, benefício concedido apenas para uma parcela dos famintos, não passa fome. Faltou sua excelência combinar isso com o gás de cozinha, com o pão, com o feijão, com a conta de luz, com a conta de água, com toda a cesta básica. 

1.096 – FUGITIVO AMIGO. O bolsonarista Allan dos Santos, pseudojornalista e youtuber, está foragido e livre nos Estados Unidos porque o Ministério da Justiça se recusa a iniciar o processo de extradição e a incluí-lo na lista da Interpol. É a estrutura do governo federal a serviço de um procurado pela justiça brasileira.

1.095 – CONGELAMENTO. O desespero já está batendo às portas do Palácio do Planalto por conta das pesquisas eleitorais que indicam a derrota de Jair Bolsonaro nas eleições. Boa parte dos bolsonaristas vão dizer que as pesquisas públicas são manipuladas. Elas representam um momento do processo da disputa eleitoral. Mas só que não são apenas estas que estão apavorando Bolsonaro. As pesquisas internas dos próprios bolsonaristas também estão dando o mesmo resultado. É por isso que Valdemar Costa Neto, presidente do PL, partido do presidente, já está jogando a toalha e querendo apostar apenas em fazer uma boa bancada. Pois bem, nesse contexto de derrota iminente, o governo está fazendo algumas propostas heterodoxas. Uma delas é o congelamento de preços nos supermercados. Os donos desses rentosos negócios fizeram ouvidos moucos para o Capitão Cloroquina, que está tendo surtos de destempero cada vez mais frequentes. O mais recente, com manifestações de neurose explícita e teses conspiratórias, durou meia hora e não foi fácil acalmar sua excelência.

1.094 – ARAS DE PAU. Os bolsonaristas costumam querer colocar crimes de ameaça, de calúnia, de difamação, de injúria, de fake news sob o guarda-chuva da liberdade de expressão. Contudo, quando seus agentes políticos são cobrados pelos cidadãos, querem criminalizá-los. É isso que está ocorrendo com um pedido de investigação da Procuradoria-Geral da República para que a Polícia Federal investigue três brasileiros que abordaram o PGR Augusto Aras, em Paris, cobrando que ele investigue os diversos escândalos do governo de Jair Bolsonaro (propinas para pastores no MEC, compras de viagra pelo Ministério da Defesa). Em vez de prestar contas, ficam querendo intimidar a população. Em tempo: o pedido é assinado pela terrivemente bolsonarista vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo. 

1.093 – CARA DE PAU. Depois de espalhar notícias falsas sobre a eleição presidencial norte-americana, apoiando Donald Trump, e de ser um dos últimos líderes mundiais a parabenizar Joe Biden pela vitória eleitoral, agora Jair Bolsonaro, como se não fora um títere trumpista, aproveitou uma reunião com Biden para pedir apoio para sua candidatura no Brasil. É muita cara de pau desse sacripanta!

1.092 – DISPENSADO. De acordo com o relato do jornalista Guilherme Amado no livro "Sem máscara", Jair Bolsonaro demitiu o ministro da Defesa, o general Fernando de Azevedo e Silva, em 29 de março de 2021, porque ele se recusou a colocar o exército nas ruas para enfrentar os estados que determinaram o distanciamento social na pandemia. Como não encontrou apoio para sua intervenção autoritária, contrariando decisões judiciais, acabou dispensando o ministro. É grave saber que o presidente do país atuou para boicotar as medidas sanitárias que, de acordo com especialistas, salvaram muitas vidas até aquele momento, desde quando não se tinham vacinas até se dar início à vacinação.

1.091 – ENCONTRO. Há uma canção popular no RS, interpretada por José Mendes, que diz: "As pedras que são pedras no caminho se encontram". Pois bem, os falcatruas também fazem tudo para se encontrar. Jair Bolsonaro, viajando para os Estados Unidos para participar da Cúpula das Américas, diz que vai se encontrar com o foragido Allan dos Santos. Pois bem, um presidente se encontrando com um procurado pela Justiça, gastando dinheiro público, é algo realmente insólito, mas que foi naturalizado pela organização delituosa que tomou conta do Palácio do Planalto.

1.090 – RÉPLICA. A resposta de Jair Bolsonaro às críticas do ator Mark Ruffalo de que ele é golpista, contra a democracia e inimigo da Amazônia é hilária: "Ele nunca leu a Constituição". Quer dizer que se Mark Ruffalo houvesse lido toda a Constituição, coisa que Bolsonaro nunca fez, o Capitão Cloroquina deixaria de ser golpista, antidemocrático e vendilhão da Amazônia? Cada uma, hein?

1.089 – VENEZUELA. Os bolsonaristas adoram falar mal da Venezuela, como se ela fosse exemplo de país comunista, quando é um regime populista iniciado por Hugo Chávez, que foi elogiado por Jair Bolsonaro. Pois bem, eles têm aquele país vizinho como nação fracassada. Realmente, o regime venezuelano é autoritário. Todavia, temos aqui o mais roto falando do esfarrapado. Durante o governo de Bolsonaro, o número de pessoas que passam fome subiu de 19 milhões para 33 milhões. Ora, a Venezuela tem 28,4 milhões de habitantes. Ou seja, o número de famélicos do país supera toda a população venezuelana. Brasil, um país de famintos.

1.088 – CHANTAGEADO. Em entrevista à imprensa, o controvertido Fabricio Queiroz, gerente das rachadinhas de Flávio Bolsonaro, desafiou Jair Bolsonaro  e sua família a negarem que vão apoiá-lo na sua candidatura para deputado federal. Ele diz que fez uma "lambança", que é um eufemismo para "rachadinha", que também é  um eufemismo para "corrupção", e diz que isso não é crime. "Quero ver eles dizerem que não me apoiam": Bolsonaro dirá ou vai fazer que não é com ele, arregando para mais um dos seus criminosos de estimação?

1.087 – SUBSÍDIO. O que o medo de perder uma eleição e a imunidade não faz! Jair Bolsonaro, que era contra os auxílios emergenciais para os mais pobres, inclusive boicotando as medidas sanitárias, agora, vendo que sua candidatura está correndo risco, está propondo subsidiar o ICMS que incide no preço das bombas de combustíveis nos postos. Em vez de exigir que a Petrobras baixe os preços, já que é uma estatal que deve ter compromisso com a economia popular, cedendo aos acionistas privados, vai usar dinheiro público para garantir a fatia dos governos dos estados. A farra eleitoral será paga pelos próprios contribuintes, que se iludirão com eventual recuo dos números na bomba, mas vão arcar com os custos por meio dos tributos. Encenação eleitoral.

1.086 – VEIO DA ROUANET. Os bolsonaristas não perdem uma oportunidade de bater na Lei Rouanet, que é uma norma com uma série de procedimentos e controles até que o beneficiário possa sair ao mercado em busca de captação de recursos. Batem, mas usam. De acordo com o jornalista Edoardo Ghirotto, do jornal Metrópoles, em matéria exclusiva, o empresário Luciano Hang, papagaio verde-amarelo de Jair Bolsonaro, mais conhecido como o "Veio da Havan" se valeu da Lei Rouanet para investir R$ 800 mil em duas temporadas do musical Bem sertanejo, capitaneado pelo cantor Michel Teló. Nada contra eles se valerem de um permissivo legal, só que a contradição é chamar o procedimento de "mamata" e depois o usar na surdina. Sem falar que eles estão usando um mecanismo muito perverso, mais discutível ainda, que é retirar dinheiro do orçamento de pequenas prefeituras, o qual deveria ser destinado a serviços essenciais como educação e saúde, para pagar shows a preços astronômicos para cantores sertanejos, como Gusttavo Lima e outros da mesma linhagem. A mamata descambou.

1.085 – PRIVATIZAÇÃO. Está constatável por todos que tenham bom senso que Jair Bolsonaro está com tantas chances de ser reeleito quanto o Íbis de ser campeão brasileiro. E isso causa a ele e à sua família um temor do futuro, já que seus crimes são muito evidentes e somente um PGR bonzinho, nomeado pelo novo governo, pode salvá-los. Muito desse voo baixo, tipo de marreca choca, como se diz no RS, se deve a dois fatores, entre muitos outros: a omissão criminosa na pandemia e o estratosférico preço dos combustíveis. Pois bem, para aparentar que está fazendo alguma coisa em relação a este último item, Bolsonaro encomendou estudos sobre a privatização da Petrobras. Ora, isso é conversa para o gado do cercadinho ouvir. O segmento que não permite à empresa baratear seus produtos é exatamente o que tem ações privadas dentro da companhia. Em sendo assim, dá muito bem para supor que, sendo a estatal totalmente privatizada, as dificuldades para baixar os preços serão ainda maiores. Sim ou não?

1.084 – VIAGENS DO VICE. Quando querem, os bolsonaristas conseguem aprovar no Congresso o que lhes interessa, como no caso da PEC do Calote. Mas nunca encaminham nada contra seus privilégios, que são muitos. Um exemplo é o caso das viagens de Hamilton Mourão. A legislação em vigor estabelece que quem assumir o exercício da presidência da República fica inelegível. Pois bem, Jair Bolsonaro tem agenda de viagem para os Estados Unidos na segunda semana de junho. Assim, Mourão precisa viajar nesse mesmo tempo para qualquer lugar fora do país para continuar disputando sua candidatura a senador pelo RS. Pode isso? Viajar por viajar apenas para não assumir o cargo. Pior é que essa parvoíce oficial vai custar R$ 1,1 milhão aos cofres públicos, sem contar itens como alimentação, recepção, entre outros. A mamata jamais acabou, né?

1.083 – ADVOGADO SECRETO. Depois de inventar o orçamento secreto, os bolsonaristas agora estão inventando o processo secreto. O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) informou ao Judiciário que usou a renda de sua atuação como advogado para integrar o pagamento de financiamento da mansão de R$ 5,97 milhões, em Brasília, adquirida em março de 2021. Só que não há nenhum registro de processos em seu nome, o que evidencia que se trata de mais uma manobra escusa para tentar enganar a Justiça e disfarçar a lavagem de dinheiro.
1.082 – INACREDITÁVEL. Se há uma cascata bolsonarista que não resiste aos fatos é a de que Jair Bolsonaro defende a família. Só se for a dele, envolvida em rachadinhas, lavagem de dinheiro e desvio de recursos, entre outros negócios escusos. Pois agora Bolsonaro acaba de dar um golpe cruel contra as famílias brasileiras: conseguiu a aprovação no Congresso de um projeto de lei que permite aos bancos confiscar a moradia dos devedores, mesmo que seja a única. Com isso, os brasileiros, que já estão endividados com bancos e financeiras por meio de juros imorais, poderão ter que literalmente morar na rua. Se hoje já temos um déficit de seis milhões de moradias, imaginem como vai ficar a situação com esta lei desumana e descabida. Mais uma vez a direita demonstra sua aversão pelos pobres e desfavorecidos e sua predileção pelos ricos e bem aquinhoados.

1.081 – CORTES. Que Jair Bolsonaro odeia educação, ciência e cultura, isso já é sabido e consabido. Só que o ódio do amante das rachadinhas não para de aumentar. O governo federal, no dia 27, anunciou o bloqueio de R$ 3,23 bilhões no orçamento das entidades federais de ensino. O reflexo disso será menos segurança, higiene aviltada, projetos interrompidos, serviços sucateados. Só não está faltando dinheiro para os prefeitos bolsonaristas que promovem shows dos sertanejos universitários com verbas públicas surrupiadas de áreas essenciais. 

1.080 – CAPACETE. Jair Bolsonaro faz parte de uma direita destrutiva, a exemplo de Donald Trump, que vai além do simples reacionarismo ou da costumeira apropriação sociopolítica da máquina pública. Ele quer destruir por dentro as instituições numa metástase de perda de credibilidade. Nenhum controle deve ficar de pé para que ele e sua organização criminosa possam agir à vontade, como nas rachadinhas. Isso explica que ele diga apoiar a Polícia Rodoviária Federal (PRF) por prender e assassinar um motociclista pobre alegando o não uso do capacete. Com isso, ele joga a PRF sob descrédito, uma vez que o próprio Bolsonaro, em suas motociatas, recusa-se a usar esse item obrigatório. Com isso, ele desmoraliza e obriga à prevaricação a força policial que ele insinua defender, porque ela é obrigada a aceitar que não pode impor a lei para todos. Assim trabalha o bolsonarismo, boicotando todo órgão institucional que represente algum tipo de controle atual ou futuro sobre seus atos delituosos.

1.079 – MARGINAL. Nesta segunda-feira, dia 30.5.2022, Jair Bolsonaro afirmou que a Polícia Rodoviária Federal teria "abatido um marginal". Ele se referia à morte de Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, por asfixia em uma câmara de gás improvisada por policiais pelos no porta-malas de uma viatura da corporação, em Sergipe. Como sempre, ele está do lado da bandidagem de farda, seja matando, seja torturando, seja exilando, seja atuando como milícia. Atrás dessa morte, há as digitais do bolsonarismo, que prega o autoritarismo e o desrespeito aos direitos humanos, boicotando a atuação humanizada dos órgãos públicos.

1.078 – PROCESSO. O Ministério Público Federal (MPF) está acionando a Justiça Federal em Redenção, no sudeste do Pará, contra o governo federal, a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) pela omissão legal ao não defender a integridade física e psicológica do povo Xikrin Mebengokrê na Terra Indígena Trincheira-Bacajá, que está sendo alvo de invasores. Graças ao incentivo a desmatadores e grileiros, a área, nos últimos três anos, tornou-se uma das mais desmatadas da Amazônia. Bolsonaro é o mandante de mais esse genocídio.

1.077 – NISE DA SILVEIRA. Num gesto digno de um poltrão, Jair Bolsonaro vetou a inscrição do nome da psiquiatra Nise da Silveira no rol do Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria. Nise foi pioneira no tratamento humanizado de pacientes com transtornos mentais, que, até então, eram submetidos a violências como choques elétricos. Enquanto isso, o militar fracassado e terrorista se presta para endeusar torturadores como Carlos Brilhante Ustra.

1.076 – ICMS. O ICMS é um imposto constitucional vinculado aos estados, assim como o IPTU é um imposto municipal. Os bolsonaristas o tornaram o vilão do aumento da gasolina, mas por que agora, se ele sempre incidiu sobre o valor do combustível? Isso só aconteceu porque o governo de Jair Bolsonaro elevou absurdamente o preço dos combustíveis através de um sistema perverso e indecente. Ele exporta o petróleo bruto a cerca de 2 dólares e importa a mesma quantia refinada a 35 vezes mais e isso é feito por meio de atravessadores. É isso que encarece esse item substancial para a nossa economia. Resumindo: os governadores se beneficiam do aumento da gasolina, mas quem eleva a precificação para as alturas é o governo federal.

1.075 – ELOGIO PERVERSO. Sem sobrepesar a morte de inocentes, Jair Bolsonaro elogiou a ação conjunta do Batalhão de Operações Policiais (Bope), da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal que resultou em 22 mortes na Vila Cruzeiro, na zona norte do Rio de Janeiro, na terça-feira de 24.5.2022. Nessa mesma operação, morreu uma moradora do local, cabeleireira, e nem todos os mortos tiveram sua identificação confirmada como criminosos, o que não é novidade em plagas fluminenses. Estamos na arena da barbárie: não importa que morram inocentes se, no saldo final, houver mais bandidos mortos. O grau de perversidade deste raciocínio é um tapa na cara das famílias enlutadas, dilaceradas pela dor e pela indiferença aos seu sentimentos.

1.074 – LUCRO DA PETROBRAS. Jair Bolsonaro finge esbravejar diante do lucro da Petrobras, que foi de de R$ 44,5 bilhões no primeiro trimestre. Ora, se ele realmente estivesse em desacordo com o preço dos combustíveis, bastaria tomar esse valor que ele considera indecente e aplicar como subsídio nos combustíveis. Desde o início do mandato, seu governo já arrecadou R$ 447 bilhões com a empresa, algo em torno do seu valor de mercado. Bolsonaro chora de barriga cheia e os bolsonaristas o apoiam de tanque vazio. 

1.073 – MANCARRÃO. O ministro Paulo Guedes, fazendo jus ao governo Bolsonaro, foi para o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, para dar voz à mitomania governamental. Afirmou que o Brasil está controlando a inflação, que vai crescer o dobro do previsto por organismos internacionais, desdenhou do desmatamento, disse que o Banco Central brasileiro está mais eficiente que os de outros países e, pasmem!, afirmou que a França pode se tornar irrelevante em termos econômicos para os brasileiros, quando o mais provável é o contrário. Sua participação de pangaré cansado no evento, aliada à sua completa inépcia, faz parte do enredo de uma comédia digna de fazer chorar por um país desacreditado e fodido.

1.072 – SAI DO TRONO OU NÃO SAI?. Jair Bolsonaro (PL), num evento com evangélicos em Curitiba, afirmou que "só Deus" o tira da cadeira de presidente da República. O discurso foi feito em um trio elétrico no final da manhã de sábado (21.5.2022) e fez parte da Marcha para Jesus, uma mobilização capitaneada por líderes religiosos que reúne milhares de pessoas em Curitiba. Só sinto informar ao disparatado capitão que Deus não vota. Quem vota é o povo brasileiro, que, em diversos levantamentos, já vem indicando a rejeição ao seu nome.

1.071 – PERÍCIAS MÉDICAS. O governo de Jair Bolsonaro vê tudo o que não for em benefício dele e de sua família sanguessuga como despesa. É por isso que não se importa com o fato de que benefícios para os mais pobres, como Benefício de Prestação Continuada (BPC), aposentadoria da pessoa com deficiência e aposentadoria especial, entre outros, fiquem emperrados pelo sucateamento do INSS. São mais de um milhão de pessoas nessa condição. Todos estão à mercê da insensibilidade de um governante que segue aquela máxima popular: "Mateus, primeiro os teus". Ou aquela velha transferência de responsabilidade: "Cobra do Abreu. Se ele não pagar, nem eu".

1.070 – ZECA PAGODINHO. Caiu por terra mais uma notícia falsa disseminada pela escumalha bolsonarista. Em suas redes sociais, divulgaram que o cantor Zeca Pagodinho apoiaria Lula porque teria recebido milhões de reais captados por meio da Lei Rouanet. Na verdade, terceiros montaram um espetáculo sobre o cantor, que é evidentemente famoso, e captaram recursos sem sua participação. Mas vai explicar isso para bolsonaristas: se eles não sabem nem diferenciar a personagem de Paulo Gustavo do próprio ator, como vão entender que, também neste caso, uma coisa é uma coisa e que coisa outra é outra coisa?

1.069 – COAÇÃO. O Veio da Havan foi condenado a indenizar uma funcionária da sua empresa em R$ 30 mil por coagir a mulher a votar em Jair Bolsonaro (PL) nas eleições de 2018. A condenação é oriunda do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª região, o qual considerou a postura do bolsonarista como “inadmissível”. Ele fazia lives e ameaçava os empregados de demissão se Jair Bolsonaro não ganhasse a eleição. A coação moral foi reconhecida e confirmou algo que já se tornou público: Luciano Hang não tem ética e usa de meios criminosos para defender o Capitão Cloroquina.

1.068 – "INVESTIGA NÃO". Manchete na imprensa: "Bolsonaro agora diz que não há prova de corrupção no governo". Ora, o poltrão faz tudo para não ser investigado, como travar a CPI do MEC no Congresso, usar a Polícia Federal ao seu bel-prazer para impedir averiguações, e agora vem dizer que não há corrupção no seu governo. É mais ou menos como fazia o regime militar: censurava o trabalho jornalístico e aí ficava parecendo que não havia corrupção no país. Gente cínica!

1.067 – CANASTRÃO. Nesta quinta, 19.5.22, o ministro da Economia, Paulo Guedes disse que país já saiu "do fundo do poço". Contudo, essa afirmação ocorreu no mesmo dia em que o governo revisou para cima a projeção para a inflação em 2022, chegando a 7,9%, bem acima do centro da meta, mesmo sendo previsão oficial. Sem esquecer que a inflação real, a do bolso do consumidor, acumulada nos últimos 12 meses, já chega a 12,13%. O pais do faz de conta de Guedes, definitivamente, não é o país em que vive o povo brasileiro.

1.066 – INFRATOR. O certo é que Jair Bolsonaro é um infrator contumaz da legalidade. É por isso que não causa espécie quando ele cometeu infração de trânsito de pilotar moto sem capacete no RS, a exemplo do que já fez muitas vezes. Lei para ele só se for para protegê-lo nas suas condutas criminosas, como lavagem de dinheiro e funcionários fantasmas. Aí vale também o acesso amigo aos tribunais. 

1.065 – PREVISÃO. Jair Bolsonaro afirmou que nunca será preso. Alguém já soube de algum criminoso que não apostasse na impunidade? Isso faz parte do ofício de delinquente. Uma visão otimista do mundo e a crença num final feliz (para ele) o movem nessa senda de sanguessuga.

1.064 – LIMPO?. Durante um discurso para uma plateia de apoiadores na Feira Nacional de Soja, em Santa Rosa (RS),  Jair Bolsonaro (PL) afirmou que as suspeitas de corrupção no seu governo não foram comprovadas. Aduziu que diversas acusações foram feitas sem que as provas tenham sido apresentadas.Não falou nada que ele impede a Polícia Federal de investigar e que usa sua influência nos tribunais para trancar processos. Decerto rachadinhas, funcionários fantasmas do Bolsonaro, sonegação fiscal, envolvimento com milícias, propinas em vacinas, contrabando de recursos naturais, recorde de gastos no cartão corporativo, roubo nas terras indígenas, apoio ao fundão eleitoral no Congresso, boicote às medidas sanitárias, notas frias, aumento dos supersalários por decreto, elogio à tortura, incentivo ao desmatamento, sigilo sobre crimes do governo, orçamento secreto, boicote às investigações dos crimes e enriquecimento ilícito familícia, etc., são tudo invenção da imprensa para prejudicar um homem ilibado e acima de qualquer suspeita.

1.063 – PILANTRAGEM. A equipe econômica de Jair Bolsonaro está estudando um meio de saquear ainda mais as finanças dos assalariados. Quer reduzir o recolhimento mensal do FGTS de 8% para 2% e diminuir a multa pela demissão sem justa causa de 40% sobre o valor do fundo recolhido para 20%. Esse é um governo que não economiza esforços para que os ricos fiquem cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres.

1.062 – "SACHCIDA". O novo ministro de Minas e Energia nomeado por Jair Bolsonaro, Adolfo Sachsida, tem o perfil desse governo: reacionário, insensível, falsificador e antipovo. É contra a licença-maternidade para as mulheres, inimigo dos direitos trabalhistas e acha que o partido de Hitler era de esquerda. Os requisitos para a transformação do Palácio do Planalto em manicômio estão sendo cumpridos a cada dia. Não é à toa que seu nome tem um sufixo de exterminador.

1.061 – RECORDE CRIMINOSO. Os alertas de desmatamento na Amazônia Legal atingiram um novo recorde em abril de 2022, com 1.013 km² de floresta devastada. Os dados são do sistema de alertas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Esse é o maior número constatado para esse mês desde o início da série histórica, em 2016. Com o incentivo de Jair Bolsonaro para os criminosos ambientais, a floresta vai sendo destruída, um crime contra esse patrimônio do povo brasileiro.

1.060 – DEFESA CRIMINOSA. A Advocacia-Geral da União (AGU), paga pelo contribuinte, vai defender Wal do Açaí, ex-assessora fantasma do gabinete de Jair Bolsonaro quando ele era deputado federal. Cometem o crime de corrupção e, depois, na hora de se defenderem, usam de novo indevidamente recursos públicos para tentar se safar das acusações. O feudo dessa gente em Brasília está sempre disposta a levar vantagem em tudo. E os bolsoloides aplaudem. 

1.059 – AFETADO. O ministro Paulo Guedes, talvez o único ministro da Economia do país que nunca escreveu um livro, encerrou uma entrevista coletiva porque foi questionado sobre a decisão governamental de privatizar a Petrobras. Quando ouviu críticas de manifestantes ao fundo, simplesmente foi embora. Deve ser por isso que esse governo endeusa as ditaduras. Podem fazer o que quiserem sem precisar explicar nada a ninguém. Só assim se entende o apoio a Putin e a alguns governos autoritários, como o da Arábia Saudita.

1.058 – TROCA INÚTIL. Jair Bolsonaro trocou o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, pelo economista Adolfo Sachsida. Em relação ao preço dos combustíveis, é uma troca inútil, porque os valores vão continuar dolarizados. Esse governo fracassado, em vez de garantir que o petróleo bruto seja refinado no país, permite a venda como commodity e depois importa processado num valor 35 vezes maior. Ou seja, um rotundo prejuízo para a economia popular com tendência a piorar ainda mais. E o povo continuará pagando uma conta que não é dele, cada vez mais inflacionada, com salário aviltado e desemprego estratosférico. Bolsonaro joga para sua bolha bolsonarista quando ele mesmo é o responsável pela política econômica que dissemina a miséria que tomou conta do nosso cotidiano.

1.057 – INFLAÇÃO ACIMA DE TODOS. No acumulado de 12 meses, a inflação já supera 12% e esse índice anual é o maior em 19 anos. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 1,06% em abril de 2022, na maior alta para o mês desde 1996, o que bem se pode chamar de Abril Laranja em homenagem à família de Jair Bolsonaro. Deus está acima de todos, mas o preço da cesta básica está chegando lá.

1.056 – MÍNIMO MÍNIMO. A era de miséria do governo de Jair Bolsonaro já tem um dado simbólico muito ilustrativo: ele será o primeiro presidente da República a terminar seu mandato com um salário mínimo com menor poder de consumo do que quando tomou posse. Esse fato não ocorria desde o Plano Real, em 1994. Mais uma prova do autoengano dos pobres de direita.

1.055 – GOLPINHO. O ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, deu uma canetada para colocar a si mesmo na Comissão de Transparência das Eleições (CTE), criado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e que tinha como representante dos militares o general Heber Garcia Portella. Trata-se de uma investidura apenas para conspirar no órgão, bem típico de um serviçal bolsonarista. Quem tem olhos para ver e voto para participar já pode prever que Jair Bolsonaro, diante de uma iminente derrota, quer tumultuar o processo eleitoral. E alguns integrantes das Forças Armadas parecem que não aprendem nunca que devem respeitar a sociedade e a vontade popular.

1.054 – CARTÃO AMIGO. Vida fácil é outra coisa! De acordo com um levantamento do deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) no Portal da Transparência, o governo de Jair Bolsonaro gastou cerca de R$ 4,2 milhões com cartões corporativos em 35 dias.  A mamata jamais acabou.

1.053 – AUDITORIA. A fim de lançar suspeitas sobre as eleições e os órgãos eleitorais, já preparando como vai reagir a uma derrota quase certa, Jair Bolsonaro afirmou que seu partido, o PL, vai contratar um sistema independente para auditar o processo eleitoral. Contrata, Bolsonaro, contrata. Isso não vai ser suficiente para dar suporte ao teu golpismo. E se Lula, ganhando, não colocar um procurador amigo na PGR e respeitar a lista tríplice, tua condenação é certa.

1.052 – CULTURA. Jair Bolsonaro vetou integralmente a nova Lei Aldir Blanc, que prevê a destinação de R$ 3 bilhões anuais para o setor cultural até 2027. Os recursos seriam destinados a estados e municípios para o financiamento de iniciativas culturais. O setor emprega milhões de trabalhadores que retiram da atividade o seu sustento e de suas famílias. Na versão de Bolsonaro, são todos comunistas ávidos por verbas públicas. Um projeto de apoio a rachadinhas teria maior chance de obter a sanção presidencial.

1.051 – CONSELHO. O Supremo Tribunal Federal (STF), por dez votos a um (adivinhem quem é esse um), derrubou trecho de um decreto de Jair Bolsonaro que excluía os representantes da sociedade civil da composição do Conselho deliberativo do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA). Também foram anulados, em outras votações, partes de outro dois decretos. Um deles afastava os governadores do Conselho Nacional da Amazônia Legal e o outro extinguia o Comitê Organizador do Fundo Amazônia. É por isso que Jair Bolsonaro tornou o STF como seu principal alvo: o órgão é um empecilho para seus planos de desmatar e entregar a Amazônia e outros ecossistemas para garimpeiros, desmatadores, contrabandistas e grileiros.

1.050 – DEU-SE MAL. O ex-ministro malcriadamente bolsonarista Abraham Weintraub (PMB) teve negado seu pedido de indenização judicial por ter sido chamado de "vagabundo" por Guilherme Boulos (PSol-SP). Agora, terá de pagar as custas processuais e os honorários advocatícios da parte contrária, estimados em R$ 10 mil. Interessante foi uma parte do julgado, emitido pela juíza Luciana Biagio Laquimia, do judiciário paulista: “Em termos jurídicos, não se verifica abuso de direito do réu ao denominar o autor ‘vagabundo’, quando o próprio demandante tem fama pública e notabilíssima de reputar seus opositores ‘vagabundos’, como os Ministros do Supremo Tribunal Federal, assim se expressando publicamente". Quem como vagabundo fere, como vagabundo será ferido. 

1.049 – "MUI" MULTADO. O criminoso condenado Daniel Silveira (PTB-RJ), deputado bolsonarista, recebeu uma multa vultosa imposta pelo ministro Alexandre Moraes, do STF, por descumprir medidas cautelares, descumprimento esse que também foi alvo de manifestação da Procuradoria-Geral da República. Claro que os bolsonaristas vão dizer que é perseguição ao golpista, mas o próprio MPF concordou com o juízo. O valor a ser pago é de R$ 405 mil, com determinação de bloqueio de todas as contas do parlamentar. Mais uma grande data.

1.048 – CONDENAÇÃO. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) foi condenado pela juíza Maria do Perpétuo Socorro, da 15ª Vara do Juizado Especial Cível de Manaus, a pagar a quantia de R$ 25 mil ao senador Omar Aziz (PSD-AM), ex-presidente da CPI da Covid, por associá-lo a pedofilia. A sentença fixou ainda retratação e multa de R$ 1.000 por dia de descumprimento. Cabe recurso. Por enquanto, a família miliciana vai acumulando débitos no varejo, mas um dia terá que pagar seus crimes no atacado.

1.047 – PRESENTE. Neste Primeiro de Maio, os trabalhadores terão um presente de reconhecimento por parte do governo de Jair Bolsonaro. A Petrobras anunciou um novo reajuste de preços do gás natural, que, a partir desta data, será 19% maior do que o que vigorou no último trimestre, de fevereiro a abril, no repasse para as refinarias. Um presente sim, de grego, para quem não tem a sorte de ter um cartão corporativo.

1.046 – SALA SECRETA. Jair Bolsonaro quer mesmo complicar desde já uma eleição que vai perder. Agora inventou que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem uma sala secreta e quer que as Forças Armadas recebam os dados para realizar uma apuração paralela. Logo os militares cuja cúpula tem uma tradição de golpismo e de ditadura, acabando com as eleições diretas. O indivíduo perde votos a cada dia e, nem mesmo quando ainda tinha mais apoio, conseguiu criar seu próprio partido, o União pelo Brasil. Agora, está cada vez mais impopular e quer arranjar uma desculpa antecipada para o seu fracasso, inclusive querendo colocar seus boçais na rua para confrontar os resultados eleitorais. Não vão levar. Serão desmoralizados, presos e derrotados.

1.045 – FESTA DA BANDIDAGEM. Nesta quarta-feira, dia 27.4.2022, a bandidagem organizou diversos eventos em Brasília, culminando com um ato em que o presidente da República, senhor Jair Bolsonaro, defendeu seu perdão ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ). Antes, o meliante Silveira tomou posse na Câmara dos Deputados na principal comissão da casa, a CCJ, responsável por analisar a constitucionalidade das proposições apresentadas naquela casa. O sacripanta Silveira também ganhou assentos em outras comissões, como a da Cultura, da Educação, do Esporte e da Segurança Pública, na qual ele foi eleito para ocupar a vice-presidência do colegiado e sua ficha de antecedentes serve como credencial para atuar ao lado das milícias. Na sequência, todos foram convidados para assistir ao vídeo gravado pelo parlamentar contra o STF, mas, como havia senhoras e crianças no local, a exibição foi cancelada. Bolsonaro alegou que o desvio de finalidade do decreto da graça, bem como sua imoralidade e a não observação do princípio da impessoalidade, são meros detalhes num ato administrativo de seu interesse particular. Admitiu que Silveira é um criminoso, mas que é o "seu" criminoso. Quem pariu Daniel que o empale, mas sem perder a ternura jamais. Com reciprocidade e discrição. Afinal, o Aristides pode não ser mera ficção e estar vendo.

1.044 – ESTUPRO. O estupro de uma menina índia de 12 anos vem na esteira de um incentivo do governo de Jair Bolsonaro para que garimpeiros invadam as terras indígenas e se assenhorem dos bens dos bens desses povos, cometendo todo tipo de abuso, como ocorreu nesse caso. O genocídio das minorias e o completo desmantelamento das estruturas protetivas são a obra de um grupo que se apossou do poder público para agir em favor de criminosos, de contrabandistas, de escravocratas e de salteadores.

1.043 – IMPERÍCIA. Nenhuma novidade: o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro era imperito para dirigir o Ministério da Educação e agiu com imperícia de novo ao manusear erradamente uma arma num aeroporto, criando um perigo para as pessoas no seu entorno. Quem não sabe não sabe.

1.042 – ROUANET DE ARMINHA. Quando se trata de apoiar os artistas, o governo bolsonarista os elege como inimigos na captação de recursos. Agora, permitiu que haja o emprego de verbas que deveriam ir para os cofres públicos para a edição de um livro sobre a história das armas. O projeto do livro "Armas & Defesa: A História das Armas no Brasil" recebeu apoio para captar R$ 421 mil e já arrecadou R$ 336 mil da Taurus via Lei Rouanet, fabricante nacional de armas de fogo com matriz no Rio Grande do Sul. Aí pode, né?

1.041 – SEM INDÍCIOS. Para variar, a Procuradoria-Geral da República não viu indícios de crimes de Jair Bolsonaro no caso em que ele determinou que o ministro da Educação, Milton Ribeiro, atendesse aos pleitos dos pastores evangélicos Arilton Moura e Gilmar Santos, que se puseram a cobrar propinas para liberar recursos do órgão para prefeituras. Com uma fiscalização amiga assim, eles vão procurar, procurar e procurar crimes e não vão encontrar nunca.

1.040 – DESVIO DA SAÚDE. O Ministério da Defesa desviou mais de R$ 150 milhões em verbas do Sistema Único de Saúde (SUS) com gastos não relacionados com a saúde pública, realizando conserto de aviões e compra de equipamentos para escritórios das Forças Armadas no exterior. Essas informações constam num levantamento divulgado pela Comissão de Orçamento e Financiamento do Conselho Nacional de Saúde (CNS) em fevereiro do corrente ano. Como se vê, Jair Bolsonaro quer mesmo é se apropriar das verbas do erário, seja para malfeitos, seja para usar em prol dos seus apaniguados, deixando os serviços públicos sucateados e a população abandonada à sua própria sorte.

1.039 – ESCRACHO EM PARIS. O postergador-geral da República, Augusto Aras, foi abordado por brasileiros em Paris, quando foi questionado por sua omissão diante dos crimes de Jair Bolsonaro. Também recebeu questionamentos por querer trocar suas responsabilidades por um cargo no STF. Foi ainda confrontado pelo fato de estar passeando na capital francesa enquanto prevarica no Brasil. Foi aconselhado a procurar "coisas" no país em vez de ficar onde não há nada para ser encontrado. Não foi à toa que Bolsonaro o escolheu para ser seu escudeiro na busca por impunidade.

1.038 – INDULTO. Sendo para apoiar criminosos, Jair Bolsonaro é o primeiro da fila. Ele agora concedeu indulto para o deputado federal bolsonarista Daniel Silveira, condenado pelo STF a oito anos e nove meses por diversos crimes, inclusive de violência contra o Estado Democrático de Direito. Evidentemente, esse decreto não poderá vingar, porque rompe com o princípio da impessoalidade, que deve ser observado pela administração pública. Mesmo assim, mostra que Bolsonaro quer transformar o governo federal num covil de malfeitos e de malfeitores.

1.037 – VERDADE RUÇA. Realmente, com tantos crimes para esconder, transparência não é o forte do governo de Jair Bolsonaro. O presidente acaba de colocar sigilo de cinco anos sobre os detalhes de sua viagem à Rússia, afirmando que a divulgação pode “prejudicar ou pôr em risco a condução de negociações ou as relações internacionais do País, ou as que tenham sido fornecidas em caráter sigiloso por outros Estados e organismos internacionais”. Desculpa esfarrapada para não aclarar suas tratativas com o carniceiro Vladimir Putin nem para explicar por que Carlos Bolsonaro estava junto numa comitiva que foi ao país que é o paraíso dos hackers. Decretar sigilos para ocultar delitos é uma prática intrínseca a esse governicho. Aquele mantra de que "conhecereis a verdade e ela vos libertará" também é fake. Vale para a crença dos bolsonaristas, nunca para Bolsonaro.

1.036 – GOVERNO CALOTEIRO. As dificuldades dos hospitais filantrópicos e das Santas Casas não são deste governo, mas foram fundalmente agravadas pelos cortes na saúde promovidos pela gestão de Jair Bolsonaro. Ao todo, as dívidas com o segmento já superam a cifra dos R$ 20 bilhões. O grupo que está sendo alvo do calote do governo federal é formado por mais de 1,8 mil hospitais, com quase 170 mil leitos. A maior parte dessas unidades de atendimento integra o Sistema Único de Saúde. Em maio de 2021, receberam a promessa governamental de um pagamento parcial de R$ 2 bilhões. Esse dinheiro nunca chegou.

1.035 – PATAQUEIRO. Jair Bolsonaro é um valentão avesso a riscos. Foi assim que foi se queixar em uma delegacia no RJ quando foi assaltado mesmo armado e teve sua motocicleta levada por meliantes. Agora, está desafiando o ministro Alexandre de Moraes, do STF, a prendê-lo por criticar as urnas eletrônicas. Ora, isso não é crime e ele sabe. Serve apenas para mostrar uma falsa coragem e, assim, iludir seus seguidores. O mesmo não se pode dizer do deputado bolsonarista Daniel Silveira. Ele fez um vídeo de ameaças à integridade física dos membros da Suprema Corte e de ofensas à honra deles. Pediu para ser preso e levou o merecido. Já Bolsonaro sabe que não há nenhuma possibilidade de qualquer sanção, até porque ele se esconde atrás do cargo. Tem um personagem, acho que do infantil Chaves, que define bem esse indivíduo de baixa extração moral: "Gentalha!".

1.034 – MAPA DA MINA. Jair Bolsonaro é mesmo um indivíduo de horizontes restritos. Só sua canalhice é ilimitada. Não sou eleitor de Lula, pelo menos no primeiro turno, então tenho liberdade para falar. Ele está querendo fazer uma pegadinha com o povo brasileiro. O negócio dele é o seguinte: "Votem em mim para Lula não voltar. O 'Fora Bolsonaro' é um volta Lula". Ora, isso é querer carimbar a pecha de idiota nos eleitores. Todos sabem que Bolsonaro continuar é continuarem as rachadinhas, as propinas, os funcionários fantasmas, os desvios de finalidade dos recursos do erário, a vagabundagem presidencial, as propinas, o orçamento secreto do Centrão, o arrocho salarial dos servidores, a escalada da inflação, o corte de verbas em áreas relevantes (como educação, saúde, ciência, inovação, cultura), o contrabando de recursos florestais, o genocídio dos povos indígenas, o ataque aos direitos trabalhistas, a sonegação fiscal, a oferta de dinheiro fácil para os apaniguados, a defesa da tortura, o ataque aos direitos das mulheres e das minorias, entre outros delitos. Se ele pensa que achou o mapa da mina com esse slogan rebaixado, um choque de realidade pode fazê-lo sair do governo e desse mundo paralelo. E não vai adiantar espernear com factoides contra o processo eleitoral.

1.033 – FIM DA EMERGÊNCIA. Neste domingo, 17.4.2022, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou num pronunciamento em rede nacional o fim da situação de emergência em relação à Covid-19. Nenhuma novidade. Depois de quatro ministros da Saúde, aposta na imunidade de rebanho, recusa em comprar vacinas, tentativa de extorsão de laboratórios produtores de imunizantes, tudo o que governo Jair Bolsonaro sempre se recusou a fazer foi decretar estado de emergência, ajudando a gerar um rol evitáveis de mortes. Deve ser com muita alegria que estes sádicos estão encaminhando o fim das medidas sanitárias, com as quais nunca concordaram e que jamais deixaram de boicotar cotidianamente.

1.032 – LESÃO GRAVÍSSIMA. O policial militar que desferiu o tiro de balas de borracha no adesivador de carros Daniel Campelo da Silva, de 51 anos, em um ato pacífico contra o presidente Jair Bolsonaro, ferindo-o no olho, do qual perdeu a visão, em 29 de maio de 2021, no Recife, foi indiciado pela Polícia Civil por lesão corporal gravíssima e omissão de socorro. E este não foi um caso isolado. As forças policiais, no governo bolsonarista, obtiveram uma licença especial para cometer disparates e violências gratuitas. E pensar que Bolsonaro sempre quis implementar uma exclusão de ilicitude para que esses agentes não fossem condenados por seus crimes. Essa doutrina militar de considerar o civil um inimigo, exatamente o que paga a conta, é algo do tempo do autoritarismo e do fascismo, do qual esse governo e essa família no poder tanto têm saudade.

1.031 – DE MOTO. De novo, Jair Bolsonaro saiu às ruas em motociata para queimar recursos públicos. Esta de que estamos falando (há outras), em São Paulo, custou R$ 1 bilhão ao erário, mobilizando 2 mil policiais. O Capitão Cloroquina gosta mesmo é da vagabundagem presidencial a que o cargo pode dar direito. Sem falar nos incômodos e transtornos causados para quem não tem nada com isso. No "Acelera com Cristo", cometeu várias infrações de trânsito. O maior milagre que ele conseguiu até agora foi levar às alturas o preço da gasolina.

1.030 – DISPAROS. Jair Bolsonaro, que concorre à reeleição com o intuito-mor de garantir a imunidade e, consequentemente, a impunidade pelos seus crimes, está se rebelando contra o acordo entre o WhatsApp e o Tribunal Eleitoral (TSE) para evitar notícias falsas. O que os bolsonaristas querem é poder disparar boatos e montagens por meio de seus robôs para iludir os ingênuos. Não vai levar.

1.029 – MULTA. O bolsonarista Luciano Hang, depreciadamente conhecido como o Veio da Havan, estacionou seu ônibus em local proibido em Curitiba e foi multado. Houve registro do fato por um fotógrafo, que flagrou o veículo em situação de irregularidade. Agentes de trânsito vieram ao local e aplicaram a penalidade. Agora, o infrator está perseguindo o fotógrafo em vez de reconhecer seu erro. Coisa de cidadão de bem, né?

1.028 – SIGILO BÍBLICO. A equipe de O Globo entrou em contato com o Palácio do Planalto, valendo-se da Lei de Acesso à Informação, para que o órgão responsável informe as datas e os horários em que os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, aqueles das propinas para verbas para as prefeituras e igrejas, estiveram na sede da Presidência. A resposta é hilária: o general Augusto Heleno afirma que não pode informar porque isso compromete a segurança de Jair Bolsonaro e de sua família. A verdade faz mal ao bolsonarismo. E esse Augusto Heleno compromete a imagem de probidade das Forças Armadas.

1.027 – PIADISTA. A concorrência está braba para o lado dos humoristas. O deputado federal Daniel Silveira (União Silveira) está pedindo ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ser julgado pelos seus delitos (inclusive aquele vídeo repleto de baixarias e de ameaças) apenas pelos ministros indicados por Jair Bolsonaro. Os outros estariam na condição de suspeitos. Será que ele não quer também um pedido público de desculpas do Judiciário e uma indenização pelos incômodos causados a sua excelência? Isso sim é que se chamaria de ação judicial entre amigos, os amigos da impunidade sempre perseguida pelos bolsonaristas.

1.026 – VIAGRA. O Ministério da Defesa realizou uma compra de 35 mil comprimidos de viagra, sendo 28.320 para a Marinha, 5.000 comprimidos para o Exército e 2.000 comprimidos para a Aeronáutica. Enquanto isso, faltam remédios básicos no SUS, como insulina. Decerto em casa os militares terão a sensação do prazer cumprido. 

1.025 – RECUSA. Os pastores  Gilmar Silva dos Santos e Arilton Moura recusaram-se a participar de audiência, no Senado Federal, sobre o gabinete paralelo no MEC que eles formaram naquela pasta, liberando verbas apenas para apaniguados e mediante o recebimento de propina. Eles atuavam, conforme confirmou o ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, com liberação expressa de Jair Bolsonaro.

1.024 – SALÁRIOS. Num governo de direita, o vilão da economia são sempre os salários. Claro, os salários precisam ser arrochados para garantir o lucro dos capitalistas e dos governantes, que tiram sua parte, as rachadinhas, por exemplo. É por isso que Paulo Guedes agora está dizendo que os salários, que no Brasil, são mixurucas, podem desequilibrar a economia se tiverem reajuste. Ou seja, os brasileiros, inclusive os eleitores de Jair Bolsonaro, vão continuar com muito mês e pouca renda.

1.023 – ABSTENÇÃO. Seguindo orientação do governo de Jair Bolsonaro, o Brasil se absteve na votação que excluiu a Rússia do Conselho de Segurança dos Direitos Humanos da ONU. Mesmo havendo um massacre e uma invasão de um país soberano, os bolsonaristas vão na contramão das evidências, assim como agiram durante a pandemia, pregando a imunidade de rebanho. Essa gente parece parafrasear São Francisco de Assis ao contrário: "Onde houver ódio, que eu leve ainda mais ódio". Só pode ser isso.

1.022 – VETO DO ÓDIO. Na terça do dia 5.4.2002, Jair Bolsonaro vetou o projeto de Lei Paulo Gustavo, que previa a destinação de R$ 3,86 bilhões para o setor cultural, que teve vários danos por conta da pandemia. De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência, a proposta foi rejeitada por não se adequar ao interesse público. A Câmara Dos Deputados pode ainda derrubar o veto. Bolsonaro tem um desprezo por tudo que representam a educação, a ciência e a cultura. Aliás, seus apoiadores de baixa cognição, a maioria, também não nutrem apreço pelo aprendizado. A ignorância é orgulhosa de si mesmo.

1.021 – POLTRÕES. Tanto Jair Bolsonaro como o deputado federal Daniel Silveira são dois poltrões, que falam muito, mas não sustentam o que dizem. Certa feita, no Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro foi assaltado armado, perdeu a moto e foi se queixar numa delegacia. E pensar que este sujeito chegou a borrifar que poderia fazer uma guerra contra os Estados Unidos! Iria mandar para a morte nossos recrutas mal-equipados, pintores de meio-fio. Pois Daniel Silveira, depois de gravar um vídeo vociferando contra os ministros do STF, com um conteúdo que faria qualquer rufião ruborizar, tentou dobrar a aposta contra o órgão e foi preso, inclusive com votação autorizativa da Câmara dos Deputados (Para se ver o quanto ele é benquisto lá). Na sua mais recente patacoada, afirmou que não colocaria a tornozeleira eletrônica, ordenada pelo ministro Alexandre de Moraes. Bastou Moraes bloquear suas contas bancárias para que ele mudasse de ideia. Acabou o valentão. Isso me lembra um episódio que é um verdadeiro contraponto, ocorrido com o presidente da província do Rio Grande do Sul, Júlio de Castilhos. Acometido de um câncer na garganta, foi atendido pelo médico Protásio Alves, que, ao vê-lo tossindo, lhe asseverou: "Doutor Júlio, vou ter que lhe submeter a um procedimento cirúrgico. Coragem!". Prontamente, Castilho lhe respondeu: "Não me falta coragem, falta-me o ar". Já no caso de Jair Bolsonaro e de Daniel Silveira, pode-se dizer que não lhes falta o ar, mas falta coragem.

1.020 – PREVARICADOR. A ministra Rosa Weber, do STF, indiciou Jair Bolsonaro por prevaricação no caso de superfaturamento da vacina Covaxin, que foi denunciado pelo deputado federal e Luis Miranda e seu irmão. Claro que Augusto Aras está subindo pelas paredes para tentar defender seu "mentor", como sói fazer. Quer reverter a decisão de qualquer jeito. Pediu reconsideração ou que a decisão seja submetido ao plenário do tribunal. Os autores de malfeitos estão sempre atrás da impunidade.

1.019 – MOTOCIATA ESVAZIADA. Na quarta-feira, dia 30.3.2022, Jair Bolsonaro fracassou ao tentar realizar uma motociata em Natal (RN), conseguindo reunir apenas seus seguranças e um pequeno grupo de motoqueiros. Isso reflete sua ampla impopularidade no Nordeste. Também deve ter influenciado o preço do combustível. Afinal, ficar pagando uma fortuna por litro para dar voltinhas com um incompetente, cujo governo vende petróleo bruto a preço de commodities e importa dolarizado, não é um bom negócio.

1.018 – DECLARAÇÃO SEM NEXO. Em um encontro com seus apoiadores, no famoso "cercadinho", Jair Bolsonaro ouviu uma pergunta sobre o meliante Zé Trovão e ficou muito irritado. Falou muitas coisas desconexas, mas a que mais chamou a atenção foi a seguinte: "Se não sou eu, esse Brasil estava uma desgraça". Tóim! É isso mesmo, produção?

1.017 – PEGADINHA PARA A DAMARES. Os vereadores da Câmara Municipal de Macapá, no Amapá, recusaram entregar o título de cidadã macapaense à agora ex-ministra da Mulher e da Família, Damares Alves. Os parlamentares negaram a honraria por 14 votos contra 4 e cinco vereadores não compareceram à votação. Tudo bem, se isso é uma boa notícia, melhor ainda saber como se chegou a tanto. Os bolsonaristas foram vítimas de uma pegadinha sensacional. O vereador proponente, vereador Karlyson Rebolça (PRTB), conseguiu maioria para aprovar o regime de urgência. Ora, quem geralmente apoia uma tramitação mais rápida é porque concorda com a proposta. Só que nem sempre. O parlamentar, que esperava a aceitação dos seus pares, foi surpreendido pela derrota. O puxa-saquismo não pôde ser exercido plenamente.

1.016 – ALIADOS DESALINHADOS. Tudo indica que a crescente impopularidade de Jair Bolsonaro está desalinhando seus aliados. Fabricio Queiroz está provocando repulsa dentro do PTB, partido pelo qual quer concorrer à eleição de deputado federal. Damares já desistiu por falta de suporte. Outro que teve um apoio menor do que o esperado foi Luciano Hang, o Veio da Havan, que já não conta nem com o voto de sua mãe. Aliás, perdeu a mãe sem deixar de defender Bolsonaro. Luis Carlos Heinze, o senador "Houveram", bate cabeça com Onix Lorenzoni, aquele das notas frias, no RS. Está sobrando para o Capitão Cloroquina Sérgio Camargo, que afundou a Fundação Palmares, e Mario Frias, ator inexpressivo. Esses dois já saem devendo votos. A esperança bolsonarista, em São Paulo, reside em Tarcísio de Freitas, que também esteve no alto escalão do governo de Dilma Rousseff. Em São Paulo, há, ainda, o mala do Abraham Weintraub. Se Bolsonaro fracassou em criar seu próprio partido pela falta de apoio e de assinaturas, por que iria ter sucesso agora depois de tanta corrupção, de rachadinhas e de outros malfeitos? Claro que ele ainda tem um setor expressivo que o apoia, mas que se desidrata a cada dia. O problema é que a oposição a ele gosta de uma tramoia, como foi a PEC do Calote, que lhe deu sobrevida, mas não o impulsionou como esperava. A desordem na horda é uma boa notícia.

1.015 – CAOS NO ENEM. Depois de cinco ministros da área, o caos se instalou na educação no governo de Jair Bolsonaro. Agora, a direção bolsonarista do Inep, que organiza o Enem, está propondo adotar a repetição de questões na prova. O mínimo que se esperava é que houvesse um corpo pedagógico eficiente para garantir a renovação de conteúdos. Contudo, o sucateamento do órgão promovido pelo governo federal deu nisso. Educação para quê? Os bolsonaristas acham que estudo é despesa e não investimento. A propósito, já pensaram uma banca bolsonarista elaborando uma questão sobre Estado de Sítio? Será que vão consultar o Marcelo Adnet? 

1.014 – URNAS ELETRÔNICAS. Notícia ruim para Jair Bolsonaro: ficou mais difícil lançar boatos contra as urnas eletrônicas, principalmente se elas lhe forem desfavoráveis. Pesquisa do Datafolha, em março de 2022, indicou que 82% dos entrevistados afirmaram que confiam no sistema eletrônico de votação perante 17% que disseram não confiar. A confiança teve um incremento em relação ao levantamento anterior, de dezembro de 2021, que foi de 69% enquanto a desconfiança era de 29%. Esse é um governo de muitos armamentistas que são exímios em alvejar os próprios pés.

1.013 – DESPEDIDO. Como dizia o Barão de Itararé, negociata é o bom negócio para o qual não fomos convidados. A bancada religiosa no Congresso, que atura as rachadinhas e a corrupção do governo de Jair Bolsonaro, a exemplo das propinas na compra de imunizantes, não gostou nada de saber que dois outros pastores tinham acesso a verbas milionárias do Ministério da Educação, tendo o ministro Milton Ribeiro como títere de Bolsonaro para liberar recursos para líderes de outras igrejas evangélicas. Foi briga de bíblia no escuro. O ex-ministro, agora despedido, alegou que agia a mando do Capitão Cloroquina, que, por sua vez, dizia acreditar na inocência do ministro. Ora, que teatrinho para enganar babacas. Milton Ribeiro agia a mando do presidente. O que não dá para acreditar é na inocência de Bolsonaro.

1.012 – MULTINHA. Os bolsonaristas entraram no TSE e conseguiram uma multa de R$ 50 mil para os artistas que se manifestassem contra Jair Bolsonaro no Festival Lollapalooza, concedida pelo ministro Raul Araújo. Claro que os participantes do evento não concordaram e o "Fora, Bolsonaro!" reverberou com muito mais força. A cantora Anitta fez pouco da decisão judicial, soltou a voz contra Bolsonaro e falou que, pelo valor fixado, terá "uma bolsa a menos". A censura deu efeito contrário. A estupidez bolsonarista é uma marca da escumalha que o apoia.

1.011 – LIVRE EXPRESSÃO. O Partido Liberal (PL), de Jair Bolsonaro, ingressou no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para impedir que os artistas que estão se apresentando no Festival Lollapalooza exponham suas críticas a Bolsonaro e até expressem solidariedade a seus candidatos. Chama a atenção de os bolsonaristas frequentemente quererem abrigar seus crimes, como os de ameaça, sob o manto da liberdade de opinião. Aí quando realmente se trata do exercício da livre expressão, eles tentam tolher as opiniões que não lhes agradam. Cinismo pouco é bobagem.

1.010 – PERSEGUIÇÃO. Em entrevista à (velha) Jovem Pan, o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que sofre uma "perseguição implacável" por parte do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Esse discurso funciona muito bem para bolsonaristas desinformados. Na verdade, os ministros do Supremo agem quando provocados pela Polícia Federal, pelo Ministério Público Federal (MF), pelos partidos políticos ou pelos congressistas. Vamos dar um exemplo: a retirada de uma postagem de Bolsonaro no Telegram foi a pedido da PF, mas ele não informa isso. Bolsonaro posa de vítima, mas, na verdade, é autor das condutas criminosas investigadas. E tem que ser punido. Muito do seu desespero é que, perdendo o cargo, vai ter responder a todas as investigações que ele está conseguindo impedir como presidente.

1.009 – NA CONTRAMÃO. O ministro das Relações Exteriores, Carlos França, ouvido no Senado, afirmou que o governo de Jair Bolsonaro é contra as sanções à Rússia. Enquanto Vladimir Putin manda invadir e destruir uma nação vizinha, gerando milhares de vítimas e milhões de refugiados, Bolsonaro presta solidariedade a um carniceiro autoritário e ditador. Não é à toa que ele foi um destacado membro do partido stalinista que governou a União Soviética com mão de ferro, tendo, inclusive, integrado sua polícia secreta. 

1.008 – ENCENAÇÃO. Até quando parece investigar, Augusto Aras (PGR) busca beneficiar Jair Bolsonaro. Agora, solicitou autorização ao STF para investigar o ministro da Educação, Milton Ribeiro. Ocorre que, diante da má repercussão dos desvios de verbas da pasta por pastores bolsonaristas, sua situação ficou insustentável. É aquilo, tudo está bem enquanto não se descobre o malfeito. Agora, Ribeiro se tornou um peso-morto para o governo e Aras vai atuar para defenestrá-lo. Não é por moralidade, é para ajudar Bolsonaro.

1.007 – TCHAU, DAMARES!. Por falta de apoio e de partido que a acolha, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, desistiu de ser candidata ao Senado pelo Amapá. Nem o Partido Liberal (PL) ao qual Jair Bolsonaro se filiou a quer como candidata. É, a impopularidade cobra seu preço. O mundo dos bolsonaristas, apesar de ser pretensamente plano, está cada vez mais curto para eles.

1.006 – LOBISTAS. Um novo esquema de corrupção no governo de Jair Bolsonaro está vindo à tona. Dois religiosos recomendados pelo Capitão Cloroquina negociam obras para redutos eleitorais, principalmente em igrejas, valendo-se de verbas do Ministério da Educação as quais deveriam ser usadas em prol dos estudantes. O ministro Milton Ribeiro dá prioridade para os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura na destinação de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Depois do orçamento secreto, os investimentos discretos para os amigos e apaniguados. 

1.005 – PARAGUAI. O ministro Paulo Guedes afirmou que a baixa cobrança de tributos transformou o Paraguai no "estado mais rico do país", dando a entender as facilidades da informalidade na nação fronteiriça para atrair investimentos. Foi extremamente desrespeitoso. Afinal, o Paraguai, que já foi arrasado pelas elites brasileiras, argentinas e uruguaias a mando da Inglaterra, é um país independente e soberano. Já que a tributação baixa é considerada favorável à população, bem que que o governo de Jair Bolsonaro poderia reajustar a tabela do IR, por exemplo. Só que não. Falam em tributação elevada, mas nunca abrem mão de sobretaxar os contribuintes nacionais.

1.004 – TELEGRAM. Por não atender a determinações judiciais e, muito importante, a pedido da Polícia Federal, coisa que os bolsonaristas escondem, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a suspensão do aplicativo de mensagens Telegram em território nacional. Imediatamente, Jair Bolsonaro determinou que Advocacia-Geral da União (AGU) entrasse em juízo para defender a reversão da medida, advogando em prol de uma empresa privada com recursos públicos. É bom lembrar que o Telegram é um aplicativo usado para cometer crimes de disseminação de notícias falsas, bem ao gosto dos que apoiam o governo federal. 

1.003 – SOLÍCITO. O blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, foragido da justiça brasileira e beneficiado pelo corpo mole do Ministério da Justiça em promover a extradição, depois de muitas provocações e arroubos juvenis contra as instituições, está pedindo arrego. Ele requereu ao STF que ele tanto criticou o desbloqueio de seus canais e de contas alegando que está sem recursos para sobreviver e manter sua família, bem como sua empresa. Ocorre que ele não deverá ter vida fácil no Judiciário, já que seus ganhos são frutos de delitos praticados contra a sociedade, como a divulgação de notícias falsas. O dito jornalista é alvo em dois inquéritos, o de fake news e o das milícias digitais. Nas redes sociais, foi banido do Twitter, do Facebook e do YouTube e teve o blogue Terça Livre colocado fora do ar. A coragem não passa do bolso.

1.002 – PROVOCAÇÃO. O ministro da Justiça, Anderson Torres, conceder a Jair Bolsonaro (PL) a medalha do mérito indigenista é uma provocação insana aos fatos e à realidade. Bolsonaro sempre atacou a causa indígena e incentivou a invasão de terras, inclusive o contrabando de recursos naturais, chegando a vetar o fornecimento de água potável, higiene e leitos hospitalares aos índios. Isso é um escárnio contra a sociedade. A vilania dessa gente não tem limites. 

1.001 – OSMAR TERRA PLANA. Essa é de caírem os butiás do bolso: o deputado federal bolsonarista Osmar Terra entrou na justiça requerendo que os perfis das redes sociais que usem o nome de "Osmar Terra Plana" seja removidos. A juíza da 12ª Vara Cível da comarca de Porto Alegre mandou o Twitter retirar quatro contas. Ora, o negacionista não quer ser confrontado com as teorias esdrúxulas que defendem, como a da terra plana e a da imunidade de rebanho, da qual ele foi o maior expoente, prevendo um número diminuto de mortes e hoje já temos mais de 655 mil óbitos por Covid-19. Atenção, não chamem Osmar Terra Plana porque ele acha que não é Osmar Terra Plana, embora ser Osmar Terra Plana seja muito apropriado a ele. Aliás, se concorrer de novo, sugiro que surja na tela da urna eletrônica: Osmar Terra Plana.

1.000 – FILME. Os bolsonaristas vivem num mundo paralelo, mas não aceitam a ficção quando se trata dos outros, de quem eles consideram inimigos. Jair Bolsonaro, uma vez, na vida real, disse que seus filhos não seriam homossexuais porque foram bem criados. Todavia, num filme, em que um ator interpreta um pedófilo, o que deve servir de alerta para os pais, daí a horda enxerga uma pedofilia de fato, sem considerar que o ator Fábio Porchat, ao mostrar uma trágica figura do cotidiano brasileiro, presente em boa parte dos clãs brasileiros, está, na verdade, mostrando o "modus operandi" dessa gente e alertando crianças, adolescentes, pais e responsáveis. Pior é que o ministro da Justiça, Anderson Torres, pau-mandado do governo federal, ordenou a retirada do filme das plataformas de exibição. Negar absorventes íntimos para alunas pobres pode, mostrar como agem os abusadores não pode. Moral de ocasião.

999 – DUPLA PERSONALIDE. Jair Bolsonaro é um péssimo ator, mas bem que ele tenta enganar os trouxas. O preço dos combustíveis em geral e o da gasolina em particular estão nas alturas em seu governo, sendo que, na Argentina, logo ali, o litro da gasolina está sendo vendido a R$ 2,99. Pois bem, diante do aumento, ele reúne sua gente lesada num posto de gasolina, em Goiás, para posar ao lado de um painel com os preços estratosféricos (gasolina a R$ 7,497, etanol a R$ 4,897 e diesel a R$ 6,790). Até parece que não é ele que escolhe o presidente e a direção da Petrobras. Como sempre, lava as mãos, tenta culpar terceiros, talvez os Três Porquinhos, e o gado acredita. Aliás, vi uma imagem em que uma pretensa bolsonarista carrega um cartaz com os seguintes dizeres: "Eu só vou me revoltar quando aumentarem o preço do capim". Faz sentido.

998 – QUEBRA. Diante da possibilidade de o aposentado poder usar a totalidade de suas contribuições para melhorar seus vencimentos, Jair Bolsonaro afirmou que "querem quebrar o Brasil", criticando o STF. Não, Bolsonaro, não é a justiça social e econômica que pode quebrar o Brasil. O que ajuda a quebrar o país são as rachadinhas, seu cartão corporativo, seus funcionários fantasmas, sua PEC do Calote, a entrega do petróleo a preço aviltado para depois importar dolarizado, seu decreto que autorizou que diversas pessoas recebam muito acima do texto constitucional. Algum gadinho aposentado acredita nessa fala mal-intencionada?

997 – AMBIGUIDADE. Jair Bolsonaro é uma figura que flerta com a hipocrisia. Não é a primeira vez que ele veta uma proposta apresentada pelo Congresso e depois, vendo que o veto vai ser derrubado, defende publicamente a queda de sua canetada. Foi o que ocorreu agora com a proposição da renegociação de dívidas de micros e pequenas empresas. Quem ele pensa que engana? Ah, os bolsonaristas, claro!

996 – USURPADORA. A ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, mostrou sua falta de caráter ao anunciar o programa atrasado do governo de Jair Bolsonaro para distribuição de absorventes íntimos para mulheres carentes. Ela ignorou que a proposta original, vetada pelo governo, foi apresentada na Câmara dos Deputados pelas parlamentares Marília Arraes (PT-PE) e Tábata Amaral (PSB-SP). Além de apresentar um projeto pior, ainda quis aparecer como a mentora da ideia. A moral dessa gente rasteja.

995 – COMBUSTÍVEIS. Para justificar o aumento dos combustíveis (gasolina 18%, gás de cozinha 16% e diesel 25%), Jair Bolsonaro diz que que poderia haver desabastecimento sem o reajuste. E ainda alegou que não pode interferir na Petrobras, na qual a União é acionista majoritária. Isso é conversa para ruminante do bioma pampa. Na verdade, o país extrai petróleo do pré-sal e vende como commodities por cerca de dois dólares e depois um bando de intermediários importa combustível por um valor de cerca de 35 vezes mais, com cotação dolarizada. É uma pouca vergonha o que esse governo faz, tirando dos brasileiros aquilo que lhes pertence para enriquecer uma minoria de aproveitadores. O resultado será mais recessão, inflação, pobreza e desemprego.

994 – MINERAÇÃO. Sob a alegação de possível falta de potássio, por conta da guerra na Ucrânia, Jair Bolsonaro agora quer investir sobre terras indígenas com o pretexto de extrair esse mineral. Está impulsionando um processo no Congresso com essa finalidade. O governo alega que nas áreas destinadas aos índios há jazidas de minérios empregados para fabricar fertilizantes agrícolas, como potássio e fosfato. Todavia, estudos indicam que a maioria das reservas brasileiras desses minérios está fora das reservas. Na Amazônia, 90% dos minérios se encontram em outros solos. O genocida não se cansa de tentar levar a morte, a miséria e as doenças para os índios, tão historicamente castigados pelos colonizadores. 

993 – BOLSONARISMO CONTRA OS APOSENTADOS. Certamente, temos aqui uma das maiores sacanagens de todos os tempos contra o povo brasileiro. Depois de o STF, por 6 a 5, aprovar que as contribuições da vida toda do trabalhador podem ser aproveitadas para melhorar sua aposentadoria, que é uma verdadeira vergonha nacional, o ministro bolsonarista Kassio Nunes Marques pediu vistas para impedir a promulgação do resultado. Qual o plano do governo de Jair Bolsonaro? Recomeçar tudo em processo físico para que seu ministro terrivelmente evangélico André Mendonça substitua um voto a favor da revisão e inverta a votação, relegando o reajuste nas aposentadorias para as calendas gregas. É sórdido demais, não é? Os aposentados eleitores de Bolsonaro vão continuar com sua miséria de vencimentos. Juntos com todos os outros.

992 – DECRETO TARDIO. Depois de vetar a distribuição ampla de absorventes íntimos para mulheres carentes em outubro de 2021, Jair Bolsonaro resolveu fazer demagogia no Dia Internacional da Mulher e publicou um decreto praticamente com o mesmo teor da proposta aprovada no Congresso. De prático, resultou que milhares de brasileiras deixaram de ser assistidas nesse período por conta da indiferença do Capitão Cloroquina às demandas do mais necessitados. Contou para sua decisão de ceder a possível derrubada do veto. Posso dizer para vocês que essa medida não foi de coração.

991 – IRONIA RASA. Os bolsonaristas não se cansam de tentar desgastar o sistema eleitoral brasileiro, considerado o mais seguro e avançado do mundo. A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), diante das falhas do sistema de contas do banco Itaú, insinuou que a instituição deveria procurar se aconselhar com o ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, sobre como manter a proteção de um sistema que trabalha com dados. Ora, já foi explicado até para o Exército, indicado por Jair Bolsonaro para acompanhar os procedimentos eleitorais, que a votação e apuração independem de Internet. Essa gente com baixa cognição e alta vocação para a mentira não se importa em dar vexame quando confrontada com os fatos.

990 – PORTEIRO DE FRONTEIRA. O asqueroso bolsonarista Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação e pré-candidato ao governo de São Paulo, está propondo fechar as fronteiras do Estado para os pobres. Trata-se de uma eugenia social num típico estilo nazista. Essa gente, que furta os recursos que deveria ser direcionado para melhorar a vida da população, como faz a família Bolsonaro com cartão corporativo, rachadinhas e funcionários fantasmas, odeia os mais desfavorecidos. Culpar os carentes pela própria pobreza é de uma crueldade indescritível.

989 – COISA DE BOLSONARISTA. O deputado estadual Arthur do Val (Podemos/SP), conhecido como Mamãe Falei, enviou um áudio machista e misógino para um de seus grupos ofendendo as ucranianas e chamando-as de "fáceis", dando a entender que as privações da guerra as tornam acessíveis para intentos sexuais. Ele teria ido à fronteira com a Ucrânia numa missão humanista, mas essa alegação não se sustenta. Eleitor de Jair Bolsonaro, reproduz o machismo dessa súcia ignara. Afinal, uma das frases antológicas de Bolsonaro foi quando ele falou que deu uma "fraquejada" ao ter uma filha. Esses indivíduos desonram as mulheres de suas famílias.

988 – BOICOTE VÃO. Na última terça-feira, dia 1º.3.2022, a manada virtual bolsonarista, via Twitter, resolveu boicotar a audiência da Globo na Grande São Paulo. Foi que nem tentar colocar camisinha em eunuco. A emissora teve sua melhor terça-feira dos últimos tempos, com amplo crescimento de programas como Globo Esporte e Jornal Hoje, entre outros, incluindo as novelas. Na verdade, Jair Bolsonaro e sua escumalha combatem a imprensa não pelos seus defeitos, mas por suas virtudes, inclusive a de denunciar as falcatruas e as rachadinhas.

987 – AFASTAMENTO DO PRÓXIMO. O Veio da Havan planeja concorrer ao Senado por Santa Catarina. Para isso, já está tentando manter uma distância de Jair Bolsonaro para não ser abarcado pela sua impopularidade crescente. Luciano Hang já descarta o rótulo de bolsonarista. Agora, ele alega que já era ativista político antes de conhecer Bolsonaro. Não nega o apoio, mas já não está mais tão voluntarioso. O Capitão Cloroquina está vendo minguar seus "melhores amigos". Teve até um com quem ele tentou se reconciliar e recebeu um não como resposta.

986 – GRATUIDADE CARA. Para que deveria servir a famigerada emenda parlamentar? Para que fosse investido esse valor em serviços ou obras públicas por indicação do eleito. Todavia, para a deputada bolsonarista Ana Caroline Campagnolo (PSL), da Assembleia de Santa Catarina, não é bem assim. Ela destinou R$ 249,8 mil para uma empresa em que o presidente é seu advogado. Ela alega que Cláudio Gastão da Rosa Filho, o mesmo que humilhou uma moça vítima de estupro em uma audiência, Mariana Ferrer, advoga de graça para ela. Essa gratuidade custou caro para os contribuintes.

985 – PREVISÃO. O cartomante Paulo Guedes está prevendo a queda da inflação de 10% para 5%. Trata-se do mesmo indivíduo que previu o botijão a R$ 35. Ora, com o país desindustrializado, com os insumos dolarizados, com o capital especulativo levando a renda da sociedade via dívida pública, sem investimentos em infraestrutura e em serviços públicos, como a inflação vai baixar? Paulo Guedes não é um otimista. É um mentiroso contumaz.

984 – NEUTRALIDADE. Jair Bolsonaro afirmou que o Brasil vai manter a "neutralidade" no conflito entre Rússia e Ucrânia. Na verdade, nem se trata de conflito, mas de uma invasão de uma superpotência a um país soberano. Essa pseudoneutralidade nada mais é do que ficar do lado do mais forte, apoiando, na prática, a invasão. A  omissão também é uma forma de agir e cometer injustiças. 

983 – BONDADE REPENTINA. O ministro Paulo Guedes declarou que o governo vai reduzir em até 25% o IPI para a indústria, criando condições de "reindustrialização". O que um ano eleitoral não faz! Se realmente esse governo quisesse reindustrializar, não ficaria refém do rentismo e do sistema financeiro, que manipula um capital especulativo, sem vínculo com o crescimento econômico. Acho que é tarde, ministro!

 

Leia os itens anteriores nos linques abaixo:
https://www.landrooviedo.com/blog.php?idb=60663 (641 a 982)
https://www.landrooviedo.com/blog.php?idb=58731 (De 340 a 640)
https://www.landrooviedo.com/blog.php?idb=55291 (De 1 a 339)

Publicado por Landro Oviedo
em 27/02/2022 às 19h42
 
27/02/2022 18h57
"NO REFÚGIO DAS PALAVRAS": A PROFESSORA MARIA ALICE ESCREVE SOBRE MANOELITO DE ORNELLAS

Artigo da professor e doutora Maria Alice Braga sobre o tríduo memorialístico do escritor itaquiense Manoelito de Ornellas. Clique abaixo para ler:
https://rl.art.br/arquivos/7461647.pdf

Publicado por Landro Oviedo
em 27/02/2022 às 18h57
Página 4 de 131
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 »
Eventuais recebimentos